30 de novembro de 2011

Artefatos das fadas madrinhas- Capitulo 9

-Filhos da....
-Olha a boca Lovely!!!!!-Ice disse arregalando os olhos.
-Foi mal
-Mas é isso que da vontade de fazer- Diere disse virando o rosto para não ver aquela galeria de horror.
-O QUE ESTÃO FAZENDO AQUI!!!????
Um garoto na porta  estava com uma arma na mão e apontava para Diere.
-Vocês são fadas, bruxas ou o que?
Lovely percebeu que estava com as asas escondidas, talvez desse para enganá-lo
-Somos humanas, nossa amiga foi seqüestrada enquanto estávamos na casa dela e ela foi levada pelo seu pai, nós os seguimos e viemos para aqui, como assim fadas ou bruxas?
-Meu pai? Ah sim, meu pai, escutem, nós precisamos de uma mecha do cabelo dela.
-Por que?- Diere perguntou desconfiada.
-Para destruirmos todo o mundo mágico.
-E por que querem fazer isso?- Kaila perguntou.
-Para vocês devem ter contado que fadas, são boazinhas e muito bonitas, mas isso é mentira, elas são cruéis, muito diferentes das historias
-Nunca ouvi tanta baboseira na minha vida- Ice disse revirando os olhos.
-E sem falar que são muito feias
-AGORA JÁ CHEGA!!!!!- Ice disse dando a espada na cabeça dele.
Ele caiu no chão, Lovely olhou espantada para o garoto caído.
-VOCÊ MATOU ELE????!!!!!
-Eu só bati nele com a lateral da espada, você acha mesmo que ele ainda teria uma cabeça se eu tivesse usado a lamina?
Lovely soltou um longo suspiro.
-Cara, que susto. Alguém sabe aonde fica a saída?
-Agora eu estou me perguntando por que nós não saímos pela porta onde entramos?- Diere perguntou
-Porque eu tinha esquecido.
-EU VOU TE MATAR!!!!!!!- Ice gritou
-Calma Ice- Lovely dizia se defendendo.
-Por que não explodimos com tudo isso?
-A explosão poderia machucar alguém do lado de fora da casa e...
Nesse exato momento Kaila caiu desmaiada no chão.
-Kaila!!!- Lovely gritou
Um dardo estava preso no pescoço dela.
-Dardos paralizantes!!! Peguem a Kaila e vamos dar o fora daqui.
Mas antes que qualquer uma pudesse pegar Kaila vários dardos foram lançados. E Lovely foi golpeada na cabeça pelo homem que tinha levado um soco mais cedo.

28 de novembro de 2011

Artefatos das fadas madrinhas- capitulo 8

                - Que tenho aqui? Um grupo de fadinhas vindo salvar a princesa? Esperava um príncipe encantado.
                -Cara, que engraçado, já pensou em ser comediante?- Ice disse com um tom de tédio
                -Quais vão ser as suas ultimas palavras fada?- Ele disse apontando o facão para Lovely.
                -Essa não é a primeira vez que me ameaçam com um objeto cortante, e estou feliz de estar usando calças jeans.
                O caçador estava prestes a mata- lá, mas algo lhe atingiu a cabeça, Karim que estava livre o acertou nas costas, ele soltou um gemido de dor e se virou para Karim.
                -Uma fada madrinha, sua miserável.- Ele disse se aproximando de Karim.
                -Ice- Lovely cochichou- A sua espada, agora!!!
                Ice tirou o hachi que prendia o cabelo e ele virou uma espada, ela cortou a corda de Lovely e ela caiu no chão.
                -Ai... Eu achei que você ia cortar a sua primeiro
                O caçador se virou ao ouvir o barulho dela caindo, mas foi atingido por um soco de Lovely.
                -Cara, socar o rosto de uma pessoa é muito estranho, me dá uma sensação de culpa.
                -Você se acostuma- Ice disse- Agora.... NOS TIRE DAQUI!!!!
Lovely pegou a espada que tinha caído no chão e cortou as cordas todas de uma vez. Depois desamarrou a princesa cortando as cordas novamente.
-Cara, eu tenho um ótimo gosto para presentes, essa espada é muito útil!!!
- LOVELY!!! VAMOS!!!!!
Elas saíram correndo de lá quando o caçador estava prestes a se levantar, Lovely olhou para a princesa e uma pergunta passou pela sua cabeça.
-Eu percebi uma coisa, não perguntamos o seu nome.
-Eu aposto que o nome dela é um vegetal- Ice disse enquanto corria e olhava para as varias portas no corredor- É pamonha!!!!!
-ICE!!!!!!
-O que? Eu não disse nada, se a antepassada dela se chamava Rapunzel por que ela não se chamar pamonha? Eu sou inocente- Ice disse dando de ombros
-Meu nome é Rani...
-Eu não entendi- Kaila disse interrompendo Rani
-Rapunzel é o nome de um vegetal que os pais dela roubaram da bruxa, nesse caso da fada madrinha. Por aqui!!!- Lovely disse apontando para uma porta.
-Você tem certeza?- Karim perguntou
-Tenho, relaxa, eu sei o que estou fazendo- Ela disse
-Então nesse caso ferrou, por que a mentira que a Lovely mais conta é: “Relaxa, eu sei o que estou fazendo”- Ice disse
 -E a mentira que você mais conta é: “Eu sou inocente”- Ela disse arrombando a porta.
A sala estava muito escura Diere começou a tatear a parede procurando um interruptor, ela soltou um grito quando encostou em algo áspero e escamoso, Lovely se assustou e acabou batendo no interruptor. Diere olhou para a parede onde havia encostado e quase desmaiou ao ver que era pele de dragão.
-Quem teria coragem de matar um dragão?- Ela começou a surtar
As outras olharam em volta e viram que alem de pele de dragão havia varias outras coisas, asas de fada, chifre e pelo de unicórnio, um vidro com escamas de sereias, etc...
-Monstros!!!!- Diere começou a chingar.
-Vamos Diere, ele vão nos alcançar...
Lovely parou de falar quando viu varias peles de raposas fadas penduradas na parede, começou a imaginar se isso acontecesse com Melody.

26 de novembro de 2011

Artefatos das fadas madrinhas -Capitulo 7

                -Não podemos falar agora Tameria, estamos ocupadas- Ice disse desligando o amuleto.
                Elas saíram correndo seguindo um homem carregando a herdeira de Rapunzel desmaiada. Acabaram chegando numa casa de caçadores. Elas espiavam escondidas de longe.
                -O que vocês acham que ele pretende fazer?- Kaila perguntou
                -O que você acha?- Ice respondeu revirando os olhos.
                -Silencio, ele pode nos ouvir- Lovely disse- Conseguem ver alguma entrada?
                -Não sei direito por que vamos ajudar ela, ela é um grossa e chata- Ice disse cruzando os braços.
                -Por que é a coisa certa- Karim disse- E eu sempre faço a coisa certa.
                -E sem falar que sabe se lá o que ele pode fazer com o desejo -Lovely disse ainda procurando uma entrada.- Olhem, tem uma janelinha aberta, não dá para todas nós passarmos, mas a Kaila passa.
                -Não acha perigoso mandar a Kaila sozinha?- Diere
                -Eu acredito nela, e se ela estiver correndo perigo de vida o amuleto dela vai pedir ajuda.
                Elas passaram Kaila pela janela e ficaram esperando.
                -Ela já está lá a um tempão, será que ela está bem?- Diere perguntou
                Sons estranhos começaram a serem ouvidos dentro da casa, Lovely se levantou e foi ver o que estava acontecendo, mas quando ia arrombar a porta a maçaneta começou a derreter e Kaila apareceu atrás da porta.
                -Oi Lovely, Você estava esperando ai o tempo todo?- Kaila disse sorrindo
                -Nós ouvimos uns barulhos estranhos, você está bem?
                -Estou, tinha alguns guardas. Lovely entrou e viu várias pessoas desmaiadas no chão- Não sei direito, mas eles desmaiaram.
                -Dióxido de carbono, eu acho, que legal!!! Eu não sabia que você fazia isso.
                -Nem eu, eu só tinha me assustado e eles começaram a cair.
                -Me lembre de nunca te dar um susto- Ice disse- Nem mesmo se você estiver com soluço.
                Lovely fez uma espécie de vinha crescer e usou para amarrar os guardas.
                -Elas não são boas para se amararem, queria aprender a fazer cipós ou algo mais forte.- Ela dizia testando a força da planta- Vocês fazem alguma idéia de onde nós temos que ir?
                -Não.- Todas disseram
                -Hum... Uma vez a Giovana me contou que os caçadores tem salas secretas onde guardam as suas caças, vivas ou mortas, talvez aqui tenha uma sala assim.
                Kaila se encostou numa parede que começou a afundar e abriu uma porta.
                -Muito bem Kaila.- Lovely disse
                Elas entraram numa sala escura e encontraram a garota amarrada numa cadeira e amordaçada.
                -Por que amordaçaram ela? É quase impossível ouvir alguma coisa aqui- Lovely disse tirando a mordaça
                -É uma armadinha!!!- Ela gritou.
                Uma armadilha foi acionada e uma corda se amarrou na perna delas e deixaram todas de cabeça para baixo com uma perna amarrada. Menos Karim já que só haviam quatro armadinhas. Um homem apareceu na porta com uma faca enorme e parecia um pouco ensangüentada

23 de novembro de 2011

Artefatos das fadas madrinhas- Capitulo 6

                -Aqui está- Lovely disse jogando o microfone em cima da cama de Marina.
                Marina examinou o microfone com cuidado se certificando de que não era falso. Pegou um pequeno baú de madeira coberto de algas e abriu tirando dali uma adaga de prata.
                -Obrigada- Lovely disse pegando a adaga.
                De volta a sede das fadas Karim e Kaila estavam esperando, Elas tinham conseguido um sapatinho de cristal.
                -São sete fadas madrinhas não são? Faltam duas não é?- Diere disse
                -Não, falta só uma- Karim disse tirando uma agulha de uma bolsa- Esqueci de contar que eu sou a herdeira da Bela Adormecida, não exatamente, mas eu que fiquei com ela. A família real queria distancia do artefato, então ele foi entregue a minha família.
                -Então só falta o artefato da Rapunzel?- Ice perguntou
                -Uma mecha de cabelo, foi uma das únicas em que o artefato foi passado pelos genes, e é a única que precisa concordar em nos dar ele.
                -Até agora foi fácil, a única que deu um probleminha foi a Marina...- Lovely disse
                - O que as fazem pensar que eu abriria mão do meu desejo para ajudar vocês?- Uma garota de cabelos curtos e loiros disse arrogantemente
                -Mas é para as fadas madrinhas, sem isso elas vão deixar de existir.
                -Vai ser a melhor coisa que já aconteceu no mundo. Nossa família odeia fadas madrinhas, e tudo começou quando uma delas seqüestrou a nossa antepassada.
                -Eu sei que foi exagero dela trocar alguns frutos por uma criança, mas as outras fadas madrinhas não tiveram nada a ver com isso- Karim disse?
                -É mesmo? E quanto a bruxa da Branca de neve? Uma invejosa, mas vocês a consideram uma das sete mais poderosas, fadas de maldição? Deveriam julgar a si mesmas antes de julgar os outros. E aquela bruxa do mar?
                -Ei!!! Escuta aqui- Lovely disse apontando para ela- A bruxa do mar não era tão ruim assim, ela avisou sobre as conseqüências, avisou sobre tudo, você pode não saber, mas ela é muito importante na historia das sereias, é por causa dela que as sereias vivem entre os humanos hoje, depois que a sereiazinha pulou no mar um pouco da poção se espalhou nas águas do mundo, a bruxa do mar realizou o sonho da sereiazinha e de muitas outras sereias, viver com humanos. E outra coisa!!! A Karim não tem nada a ver com as outras fadas que você falou, ela é uma ótima pessoa.
                -Não importa o que diga, não vou dar nem mesmo um fio do meu cabelo para elas. Agora eu agradeceria se vocês se retirassem.
                Lovely e as outras saíram da casa e se sentaram na calçada quando o amuleto de ice tocou, ela tirou e a imagem de Tameria apareceu na esfera do cristal um pouco assustada.
                -Ice!!!! Aconteceu algo terrível, minha prima foi atacada por um caçador, ele queria o artefato dela, de acordo com a sociedade, as outras princesas foram atacadas por causa dos artefatos, como eles estão com vocês ele não conseguiu, mas ele está indo em busca da herdeira da Rapunzel, conseguiram o cabelo?
                Ice olhou para as outras, mas quando estavam prestes a responder ouviram um grito vindo da casa da herdeira.

21 de novembro de 2011

Artefatos das fadas madrinhas- Capitulo 5

                A praia das sereias, lá cresciam frutas que podiam transformar pessoas em sereias, o efeito durava cerca de 24 horas,  era tempo o suficiente para pegarem a adaga que a sereiazinha tinha que ter usado para matar o príncipe. As frutas tinham uma casca dura e grossa, parecia uma concha, ela se abria ao meio e dentro havia uma fruta que tinha consistência de gelatina. Lovely Ice e Diere comeram e entraram na água. A cidade não ficava muito distante da praia, as sereias que estudavam na escola tinham que ir andando até a escola já que não voavam.
                Marina era líder das sereias, ela morava num castelo submarino. Lovely entrou pela janela e quase foi atingida por uma lança de coral.
                -AI!!!!!! O que foi isso??!!
                -Gostou da minha lança de coral Lovely?
                -Ficou maluca? Tem idéia de como coral machuca?
                -Ela pode machucar vocês fadas, ou humanos, mas não nos machuca. Por isso usamos como buquê nos casamentos. O que estão fazendo aqui?- Ela disse sorrindo maliciosamente.
                -Soubemos que você tem algo que precisamos, uma adaga da bruxa do mar.
                -Hum... Eu tenho mesmo, mas por que querem um artefato desses? Que eu saiba ela só realiza o desejo da herdeira.
                -As fadas madrinhas precisam de todos os artefatos, a magia delas está enfraquecendo. - Lovely disse um pouco mal humorada.
                -Bem, eu vou dar a adaga para você, mas preciso de uma coisa em troca. Um microfone que está com Mita. É a minha condição para abrir mão do meu desejo.
                -Mas você não facilita mesmo, não é? Tudo bem... Eu vou conseguir esse microfone, tenho certeza de que Mita vai nos dar.
                -Não, nem pensar, eu não vou dar esse microfone de jeito nenhum!!!!!
                -Por que não mita?- Diere perguntou.
                -Vocês não têm idéia do poder que esse microfone possui. Escuta Lovely, Marina te mandou para aquele lugar para conseguir esse microfone, quem pode dizer oque ela fará se tiver o microfone?
                -O que o microfone faz?
                -É como se fosse um amplificador dos nossos poderes, algumas sereias podem enfeitiçar homens cantando, mas se ele não escutar vai ser imune a canção, se uma sereia usar o microfone nada pode impedir o encanto dela.
                -Não se preocupe Mita, Marina pode ser uma chata, mas ela não é má...Bem, as vezes ela é má, mas as vezes ela é boa.
                -Eu te aviso, você pode se arrepender dessa decisão Lovely- Ela disse entregando um microfone azul com uma clave de sol presa nele.

19 de novembro de 2011

Artefatos das fadas madrinhas- Capitulo 4

Lovely olhou o primeiro nome, Fernanda, um bola de brinquedo, descendente da princesa e o sapo, ela se lembrou que o sapo tinha entrado num lago para pegar a bola da princesa, viu o endereço e saiu voando com Diere e Ice.
-Conseguir a bola foi bem fácil, eu não sabia que “princesas” eram tão generosas.- Diere enquanto procuravam a casa da herdeira da Bela e a Fera.
-As fadas madrinhas de benção fazem questão de escolher uma pessoa bondosa para presentear, lembram se?- Lovely disse tentando encontrar a rua
-Mas agora vamos ter um problema, a fada madrinha da fera era uma fada de maldição, elas procuram as piores pessoas para castigarem. - Ice disse
-Não é tanto assim, elas só procuram pessoas que precisam de uma lição- Diere disse
-Chegamos, é aquela casa.- Lovely disse apontando
-Temos que pegar uma rosa.- ice disse já se sentindo confiante, mas o seu sorriso de confiança desapareceu ao ver que a casa tinha um jardim de rosas- por acaso isso é uma pegadinha? Como vamos achar uma rosa aqui, é como encontrar uma palha de ouro, no meio do feno!!!!!
-relaxa Ice, a flor deve estar dentro de casa.- Lovely disse entrando e batendo na porta
Um menino com um cachorro no colo atendeu a porta.
-Hum... fadas madrinhas.
-Como sabe?
-Acha que são só vocês que tem uma sede e se comunicam entre si? Existe uma sociedade de “princesas e príncipes”, tudo q acontece entre as fadas madrinhas nos é avisado. A Família da branca de neve ligou a uns minutos.
-Então você vai nos dar a rosa?
-Ela está com a minha irmã, ela já está vindo...
Uma menina de cabelos castanhos usando óculos apareceu com uma pétala de rosa embrulhada num lenço.
-Aqui está- Ela disse entregando a Lovely. Mais uma coisa, não temos contato com duas princesas, a herdeira da Rapunzel e a herdeira da pequena sereia, isso pode ser um problema?
Lovely olhou para Ice e Diere um pouco confusa e disse:
-Acho que pode
                -Qual é o nome da herdeira da pequena sereia?- Ice perguntou
                Lovely passou o olho pela lista rapidamente e congelou ao ver o nome.
                -Lovely? Você está bem?- Diere perguntava assustada
                Lovely finalmente saiu do transe e começou a reclamar” COMO AQUELA COISA PODE SER UMA HERDEIRA???!!!!” Diere pegou a lista que Lovely jogou no chão e viu que estava escrito” Marina rosa do oceano” a “rival” de Lovely.
                -Por que ela está assim?- A menina perguntou
                -Marina é a rival dela- Diere respondeu
                -Rival?
                -É como se fosse alguém que você não suportasse- Ice respondeu
                -Tipo a rival da Ice era uma vampira chamada Gabriela, mas ela morreu.
                -Ou seja, agora não tem ninguém mais que me odeie.
                -Na verdade Ice, todas as garotas da escola te odeiam, mas não tem coragem de te enfrentar.
                -Que seja
                Diere acalmou Lovely e disse para parar de ser tão teimosa, Marina podia ser irritante, mas ela só gostava de irritar Lovely, não iria se recusar de ajudar as fadas madrinhas.

16 de novembro de 2011

Artefatos das fadas madrinhas- Capitulo 3

Uma mulher alta e loira com uma mecha de cabelo vermelha entrou e se dirigiu até Karim.
-Karim? Essas são as fadas que você me falou? Parecem um pouco jovens.- Ela disse olhando para elas
-Tenho.- Ela disse confiante
-Karim- Lovely se aproximou- Por que você nos chamou aqui?
-Eu explico- A mulher disse- Meu nome é Fee, sou a fada madrinha responsável por essa sede, há alguns dias percebemos que a nossa magia tem andado fraca, e não é só nessa sede, em todas as outras está acontecendo a mesma coisa.
-Lembram- se quando eu mostrei o vitral? Que cada uma daquelas mulheres era uma fada madrinha? Então, cada uma deu um presente para a sua princesa...-Karim continuou
-Princesa? Como assim?- Kaila perguntou
-É como nós, fadas madrinhas chamamos as nossas afilhadas. Continuando, cada uma delas deu um presente a sua princesa, vocês devem conhecer elas, pois aparecem nos chamados contos de fadas.
-Tipo Cinderela? Ou branca de neve?-Lovely disse
-Isso, cada presente que foi dado realizava o maior desejo do seu dono, durante séculos foram passados de geração para geração, dizem que se os artefatos forem juntos vão ter energia para salvar a nossa magia agora.
-Então o plano é bater na porta das herdeiras dos artefatos, esperar que elas sejam nobres o suficiente para abrirem mão do seu maior desejo e nos entregar o artefato- Ice raciocinou.
-Isso mesmo- Karim concordou
-Fadas madrinhas são muito otimistas, não acha?
-Esse é o único jeito, esses objetos possuem a magia das fadas madrinhas mais poderosas que já existiram, se não funcionar as fadas madrinhas irão desaparecer.
-Vamos Ice, deixe de ser mal humorada, vai ser divertido. O que vocês me dizem?
-Eu topo- disse Diere
-Eu também- Kaila disse dando um pulo
-Tá, eu vou, não tenho nada melhor para fazer mesmo.
Fee entregou uma lista para Karim com os artefatos e o nome de cada princesa, a sua atual dona e alguns endereços. Elas foram para uma rua chamada rua flor das neve
-Então, Karim? Qual é a primeira herdeira que devemos visitar?
-Ela deve ser descendente da Branca de neve, possui a maçã que a branca de neve mordeu.
-Que nojo, uma maçã seca com mais de mil anos.- Ice reclamou
-Quem é a fada madrinha dela?- Lovely perguntou curiosa
-É a madrasta- Karim falou sem jeito
-Como assim????!!!!- Kaila disse surtando
-Como eu disse antes fadas madrinhas não são nem fadas nem bruxas, nem todas são boazinhas.
-Mas a madrasta era louca, má e cruel- Diere continuou
-É- Lovely disse- Ela era igual a Ice
Ice criou uma bola de neve e jogou em Lovely que caiu no chão rindo
-Você bebeu refrigerante não bebeu?
-Talvez... Um pouco.- Lovely dizia rindo
-Sabia, é melhor do que quando você assiste filmes românticos.
- Quem é a atual dona da maçã?
-Uma menina chamada Sofia. Acho que mora naquela casa.- Karim disse apontando.
Lovely foi andando até a casa e viu uma garota sentada, seu cabelo era ruivo trançado.
-TAMERIA????!!!!!!- Todas gritaram bem alto.
-Seu nome real é Sofia Tameria?- Lovely perguntou
-Claro que não, Sofia é a minha prima patricinha, ela disse que não queria procurar pedras no nosso jardim, ela é tãooooo fresca- Tameria disse puxando o “o”.
-Não sabia que você tinha uma prima Tameria- Ice disse olhando para a casa.
-É claro que não sabia, você acha mesmo que eu ia deixar vocês saberem que eu sou parente de uma fresca?
-Você sabia que ela é descendente da branca de neve?- Lovely começou a perguntar
-É claro que eu sabia, na verdade nós duas somos, mas como ela não tem poderes, a família achou melhor que ela ficasse com o artefato.
-Como uma anã é descendente de uma princesa?- Kaila perguntou
-Depois que se casaram , o príncipe e a princesa tiveram uma filha, como os anões eram grandes amigos da família real a filha deles acabou se apaixonando por um anão, e os poderes foram passados de geração para geração- Ela olhou em direção para o quarto da prima –Bem, para alguns, mas o que vieram fazer aqui? Tem haver com a Sofia?
-Tem, as fadas madrinhas precisam do artefato...
-Tudo bem, vou chamar ela...SOFIA!!!!!!!!TEM UMAS PESSOAS QUE QUEREM FALAR COM VOCÊ!!!!!!!
Uma menina começou a descer as escadas que saiam da varanda do seu quarto pulando entre os degraus e cantarolando:
-O que foi Tammy?
-Meu nome é Tameria- Tameria disse um pouco mau humorada.
-Mas é muito mais legal chamar você de Tammy- Ela disse dando pulos de alegria
-Sofia, elas precisam da sua maçã (quem sabe assim ela fique triste e menos chata)
-É a fada madrinha que a vovó falou? Tudo bem- ela disse tirando uma maçã seca que usava como colar- Aqui está!
-Vai dar assim tão fácil?- Ice perguntou
-Claro- Ela disse- Ter o meu maior desejo seria muito legal, mas quero alcançá-lo sozinha. – Ela disse puxando Tameria pelo braço- Vamos Tammy, eu vou te maquiar e arrumar o seu cabelo, depois vou colocar uma roupa linda em você.
-O que há de errado com o meu cabelo?- Tameria disse sendo arrastada.
Lovely e as outras ficaram olhando um tanto confusas sem entender direito o que aconteceu.
-Essa não foi a coisa mais estranha que vocês já viram?- Lovely perguntou
-O que exatamente? O fato da Tameria ter uma prima princesa, o fato dela ser tão doce que me dá enjôo, ou dela ter aberto mão do seu maior desejo?- Diere perguntou
-Acho que tudo..., Karim... Qual é a próxima herdeira?
-Cinderella, Uma tal de Bianca, ela carrega um sapato de cristal.
-Isso parece desconfortável.- disse Kaila
-Não é tanto,foi criado por magia, vamos, não podemos perder tempo.
Bianca morava num apartamento, ou pelo menos era num apartamento que elas foram parar seguindo o endereço.
-EU NÃO ACREDITO!!!!!!! Como vamos saber o numero?!!!!!- Ice gritava
-Não se preocupe, Eu e Kaila vamos procurar por todo o prédio, vocês vão procurar as outras- Karim disse entregando a lista para Lovely.

14 de novembro de 2011

Artefatos das fadas madrinhas- Capitulo 2

Uma menina de cabelos escuros e crespos preso num rabo de cavalo usando óculos apareceu correndo e quase derrubou uma fada madrinha que estava passando.
-Diere!? Você esta bem?
-Estou, não foi nada- Ela olhou para o teto e ficou admirada- Nossa como esse lugar é bonito, do lado de cima nem dá para perceber que existe uma sede embaixo desse vitral, por cima parece só um chão enfeitado.
-É- Karim disse olhando para cima e depois apontou- Cada uma dessas mulheres desenhadas representa as principais fadas madrinhas da historia, aliais, é por causa delas que eu chamei vocês aqui. A minha mestra já vai chegar, querem conhecer as coisas por aqui?
-Eu quero- Lovely respondeu arrastando as outras com ela.
Elas entraram num corredor comprido, na parede havia um desenho dos mesmos rostos que tinha no vitral.
-Por que tem mascaras de teatro desenhadas por todos os lado- Diere perguntou?
-Não são exatamente mascaras de teatro- Karim respondeu- Esse é o símbolo das fadas madrinhas.
-E por que esse é o símbolo de vocês, ao invés de uma borboleta como as fadas normais?
-Fadas madrinhas não são exatamente fadas, alguns dizem que estamos entre bruxas e fadas, nós somos divididas em dois grupos, a mascara sorrindo representa as fadas de benção, as que ajudam pessoas boas a alcançarem os seus sonhos, e a mascara triste representa as fadas de maldição, as que dão castigo a pessoas ruins, ou que merecem uma lição. Eu sou uma fada de benção.
-O que vocês aprendem aqui?- Ice perguntou olhando para uma sala.
-Aprendemos muitas coisas, filosofia da bondade e da maldade, criação de vestidos usando magia, algumas aulas de moda, como quebrar feitiços malignos, entre outras coisas.
-Legal, vocês criam vestidos!!!- Ice exclamou
-Querem conhecer as fadas madrinhas de vocês?
-Nós temos fadas madrinhas?
-Quase toda a fada tem, vamos, elas estão bem ali.
Karim as levou para uma sala onde quatro fadas madrinhas estavam sentadas, uma delas se aproximou e disse:
-Lovely, como é bom te ver, eu ainda me lembro do dia que você era um bebê, eu sempre achei que tinha feito um ótimo trabalho, bondade, beleza e voz, eu poderia ter colocado modéstia, mas só poderia colocar três qualidades.
-Cara, bem que eu sempre achei que a minha beleza tinha algo de mágico- Lovely disse se gabando.
-É, acho que eu realmente deveria ter colocado modéstia.
-E quais foram as minhas qualidades?- Ice perguntou
-Bem, eu dei beleza, força, e um pouco de crueldade.
-Por que deu crueldade para ela?- Diere perguntou
-Ela é uma fada do gelo, eu tinha que dar algo para ela ser um pouquinho fria, mas ela continua sendo uma boa pessoa.
-E a Kaila?
Uma fada que estava de ponta cabeça num sofá se virou e disse:
-Eu dei essa habilidade de ser meigamente fofa, uma natureza um tanto...
-Apimentada? Que faz coisas estranhas?
-Isso, ela pode fazer coisas estranhas de vez em quando, mas continua sendo muito fofinha. E um pouco de coragem.
-É mesmo, a Kaila consegue ser mais corajosa que a Ice de vez em quando.
-Mas eu ainda sou demais- Ice disse
-E o meu?- Diere disse como se não esperasse grande coisa
-O seu? Bondade, sabedoria e lealdade, sei que hoje em dia essas qualidade não são tão admiradas, mas eu as considero muito importantes. Mas eu acho que poderia ter colocado auto confiança- Uma mulher disse se aproximado de Diere
-Não são admiradas?- Lovely começou- São as qualidades mais legais do mundo, por isso a Diere é tão legal, e até agora não surtou com alguma besteira que a Ice fez
-EI!!!!- Gritou Ice- Eu nunca faço besteira
-Quer que eu de exemplos? Teve aquela vez que você roubou as rosas da tia Mie para fazer uma poção do amor, ou aquela vez que você caiu numa churrasqueira enquanto tentava pegar folhas que caiam das arvores, ou então uma vez quando...- Lovely dizia rindo

12 de novembro de 2011

Artefatos das fadas madrinhas- Capitulo 1

Aquele era um salão gigantesco, Ice olhou para o alto e viu um vitral com sete mulheres desenhadas nele, bem ao centro havia dois rostos parecidos com aquelas mascaras de teatro representando comedia e tragédia.
-Por que viemos para cá mesmo?- Perguntou Kaila
-Karim Siel me mandou uma mensagem pedindo ajuda e me deu esse endereço, quem diria que a sede das fadas madrinhas ficasse embaixo de um parque.
-Quem é mesmo essa tal de Karim?- Ice perguntou parando de olhar para o teto
-É aquela fada madrinha que me ajudou a salvar a cidade. - Lovely respondeu.
-Quem?- Ice perguntou novamente
Lovely revirou os olhos e pensou num jeito de fazer Ice se lembrar e teve uma idéia
-Lembra da vez que você quase foi decapitada e eu te salvei, mas acabei cortando alguns fios do seu cabelo?
-AHHHHHHH!!!!!!! AGORA EU ME LEMBRO!!!!!!! Você cortou o meu cabelo!!!!!
-Foi um acidente, antes uns fios do que a cabeça inteira- ela disse- Se lembrou dela agora?
-Ah! Aquela menina que estava com você, agora eu me lembro, você tinha dito que ela era uma fada madrinha.
-Finalmente!!!- Lovely disse meio que tirando sarro da prima.
Uma garota de cabelos negros e olhos violeta chegou correndo e abraçou Lovely.
-Lovely!!!! Há quanto tempo!!!
-Se continuar me apertando assim nunca mais vai me ver viva- Ela disse quase sufocando
-Desculpe- Ela disse soltando Lovely- Essas são as suas primas?- Karim se aproximou de Kaila olhando fixamente nos olhos dela começou a abraçar ela e dar piruetas- Ela é tão fofinha!!!!
-Eu também acho, mas ela não gosta muito que fiquem abraçando ela. Essa é a Kaila, um amor por fora...
-Mas às vezes fala um monte de bobagem, e é muito chata- ice disse
-Não fale assim da sua irmã Ice, ela não é chata, ela é muito fofa.
-Às vezes eu acho que ela pode hipnotizar as pessoas- Ice disse cutucando Kaila
-E quem é essa?- Ela disse olhando para ice- Uma camada assustadora de frieza, mas com uma ponta de bondade bem no fundo, gosta de ver as pessoas sofrerem.
-Lovely... O que ela está fazendo?
-Está lendo você, fadas madrinhas podem ver se uma pessoa é boa ou má. Karim, essa é a minha prima e irmã da Kaila, Ice, a fada do gelo.
-Puxa!!! Sua prima é cruel
-Eu não sou cruel!!!!
-Ice, se eu anotasse todas as coisas más que você já fez talvez tivessem que inventar um novo pecado capital para te impedir.- Lovely disse rindo
-AAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHH!!!!!!!! ISSO NÃO É VERDADE!!!!!!!Eu sou uma pessoa maravilhosa, sou linda, inteligente, e forte- Ice gritou pulando em cima da prima
-Só faltou a capacidade de perdoar, você é vingativa, ai ai ai – Ela dizia enquanto Ice pulava em cima dela.
-Lovely? Você não tinha dito que havia mais uma fada?
-Ah!- Ela disse se levantando- Diere, ela estava conversando com um macaquinho quando a gente desceu, faz parte do treinamento como fada dos animais, ela está se saindo muito bem.
-Falando no diabo- Ice disse apontando- Olha ela ali!!

9 de novembro de 2011

A volta de Daniel- Capitulo 7

-Onde eu estou?
-Na enfermaria de Magictopia, a minha segunda casa. Mas estamos preso numa espécie de bolha.
-Lovely?- Dara disse entrando no quarto- Já acordou?
-Dara!! O que é isso?
-É um escudo para que Daniel não use os seus poderes em nós.
-E por que eu estou aqui dentro também?
-Esse é o seu castigo.
-Castigo? Porque?
-Por ter me desobedecido, quase se matar, resolver se vingar, quer que eu continue?
-Não, não precisa- Ela disse.
-E quanto a você- Ela disse olhando para Daniel- Tire esse olhar
Daniel ignorou Dara em continuou a encarar ela.
-Vou te explicar uma coisa, nós precisamos desse quarto para os feridos,mas não posso correr o risco de ter garotas enfeitiçadas, então se não me obedecer terei que arrancar os seus olhos.
Lovely sentiu um arrepio na espinha, Dara tinha um jeito próprio de resolver problemas, por isso nenhum aluno a desafiava. Daniel sentiu que ela falava serio e seus olhos de azuis ficaram castanhos.
-Não sabia que você fazia isso.- Lovely olhou curiosa
-Não me sinto muito bem quando faço isso. Não enchergo direito
-Eu gosto de olhos castanhos- Ela disse
-Eu também, principalmente dos seus.- Ele disse sorrindo
-Daniel, se pensa que vai conseguir alguma coisa com ela, ou qualquer uma, eu te aviso, fique bem longe das minhas alunas.- Dara disse ameaçadora.
Os dois foram levados para a cadeia subterrânea à prova de magia.
-Eu não esperava um castigo desses, a Dara ficou bem chateada.
-Chateada? Ela te trancafiou- Daniel disse
-Lovely!!!!- Diere gritou correndo junto com as outras.
-Eu tava louca para te mostrar quando vocês dois se espatifaram, a gente gravou tudo.- Ice disse
Ela mostrou um vídeo do momento em que os dois batem com tudo na parede e desmaiam
-Cara foi muito engraçado, melhor foi a parte em que O Daniel quase se borrou de medo quando achou q eu era um fantasma.
Dara apareceu e disse para elas voltarem para a escola.
-Daniel vai passar o resto da sua vida aqui- ela disse para Lovely
Lovely começou a pensar, se ele ficasse aqui Henrique ficaria também, e a família sentiria falta dele, Daniel era uma ameaça, mas não podia estragar a vida dos outros.
-Dara? Será que depois que passar a lua cheia você pode soltar ele? Não podemos prender ele aqui, daqui a alguns dias ele vai voltar a ser o Henrique, e não vamos poder prender um inocente.
-Tudo bem Lovely, mas saiba que logo na próxima lua cheia ele vai voltar para te matar.
-Eu sei me defender. – Ela disse sorrindo- Eu sou demais!!!
-Ei!!! Essa frase é minha!!!!- ice gritava da escada
-Eu disse para vocês voltarem para a escola- Dara disse para Ice
-Durante quanto tempo eu vou ter que aguentar essa “coisa” do meu lado?
-Até ele se transformar, você é a única que não é afetada pelos poderes dele, por isso vai cuidar para que ele não fuja, e sem falar que é um ótimo castigo para uma fada irresponsável
Lovely teve vontade de soltar um de seus comentário estúpidos como “ irresponsável seria se eu mandasse a Kaila lutar com ele, ou algo do gênero”. Mas resolveu ficar quieta e deixar passar. Vai que ela tivesse um castigo pior em mente, Daniel não ia poder mata-lá preso na sela ao lado, só iria ficar enchendo o saco.
-Eu prometo que vou encontrar um jeito dele voltar a ser duas pessoas de novo.
-Isso seria muito bom- Daniel disse ficando feliz por isso.
-E quando isso acontecer, o seu lado mágico vai passar o resto da vida preso. Como o assacino que você é, e deveria me agradecer por ainda estar vivo
-Não se eu conseguir encontrar um jeito de te enfeitiçar primeiro. E eu não preciso te agradecer coisa nenhuma, uma fada como você NUNCA deixaria alguém morrer assim, você é muito fraca para isso.
-Não ligue para o que ele diz- Dara continuou- Você é mais forte do que pensa.