14 de fevereiro de 2015

Como tudo começou- Capitulo 13

                Daniel entrou preocupado no elevador subindo até o quarto de Leandro “Não acredito que isso realmente está acontecendo, eu esperava que ele só começasse isso quando tivesse 40 anos ou mais, nem é um feiticeiro adulto completamente desenvolvido e já esta virando o mundo do avesso” Daniel parou na frente do quarto com um grande “L” na porta.
                -Entre Daniel
                -O que é isso porque o prédio está tão cheio? De onde vieram todas essas pessoas?
                -Das duas escolas de bruxas.- Ele disse olhando para o lado de fora da janela.
                -DAS DUAS???!!! Mas... Bruxas da lua são....
                -Boas? Sim, boas e extremamente dependentes de magia,
                -Entendo, bruxas mariposas são más e sedentas por poder e as bruxas da lua não sabem viver sem seus preciosos poderes. Preciso terminar de destruir a criadora... Eu enviei alguns bruxos para destruí-la, mas parece que ela não foi completamente destruída, deve haver algum fragmento escondido em algum lugar, mas não consigo descobrir aonde ou em quem a rainha das fadas confiaria para cuidar de um fragmento da Criadora.
                -Talvez tenha sido roubada- Uma bruxa disse abrindo a porta
                -Susti, já disse para avisar antes de entrar no meu quarto... Estava ouvindo escondida- A bruxa simplesmente não respondeu- Sabe de alguma coisa sobre a Criadora?
                -Minha antiga mestra tentou roubar os poderes da Criadora, eu ouvi ela falar sobre isso uma vez, mas depois que ela voltou parecia não se lembrar de nada, suponho que tenha tido as memórias apagadas, de qualquer forma, só há um lugar no mundo que eles poderiam esconder esse fragmento, e nós já estivemos lá não é mesmo Daniel?- Ela disse sorrindo e se aproximando
                -Magictopia... Que ótimo, vamos ter que voltar para aquele buraco imundo.
                -Há muitos bruxos vivendo por lá e a maioria está acostumada a viver com humanos, como vai lidar com eles?
                -Não estou interessado naqueles seres patéticos.- Ele disse friamente- Se vivem como humanos na maior parte do tempo devem ser muito fracos
                -Uma magictopiana derrotou um dos nossos- Daniel disse tentando disfarçar a melancolia- A fadas dos segredos...
                -Hum... talvez eles sejam uma ameaça apesar de tudo, mas isso não faz diferença, iremos destruir tudo e todos de não nos aceitarem.
                Alex estava sentado ao lado de Lovely olhando para a muda da Criadora. Ele aproximou a mãos dos galhos fascinado pelo brilho que possuíam só para ser impedido por Lovely.
                -Hey, não toque, você vai se machucar, esses galhos queimam como fogo
                -Você Não pode ficar me protegendo o tempo todo, como irei crescer sem experimentar um pouco de dor. Eu tenho que aprender a me virar as vezes- Ele disse soltando a mão de Lovely e tocando nas pontas dos galhos- É quente, mas não chega a me machucar.
                -Ela parece mais calma, talvez ela só queime quando queira se defender.
                -Você acha que as coisas vão melhorar daqui para frente?- Ele perguntou- Gostaria que todos nós ficássemos juntos para sempre, eu passei muito tempo sozinho e faz muito tempo que não sei o que é ter uma família, mas desde que eu passei a viver aqui eu me sinto parte de uma família.- Ele disse deitando a cabeça no colo de Lovely, ele ainda se lembrava do dia em que começaram a se tornar amigos. Antes ele era tratado mais como um prisioneiro do que um amigo, andava de um lado para o outro fechado e sem falar com ninguem.
                “-Oi, tudo bem? Você está chorando?
                -NÃO!!!! NÃO ESTOU!!!- Eu disse me levantando
                -Tudo bem, não tem ninguém olhando, você é tão fofo
                -NÃO! EU NÃO SOU, EU SOU UM MONSTRO- Eu disse mostrando as minhas presas
                -Ops, desculpe, eu esqueci que garotos detestam serem chamados de fofo, é claro que você é um monstro.
                Aquelas palavras me pegaram de supresa, a maioria das pessoa iria me dizer que eu não era não.
                -O que foi que você disse?
                -Que você realmente é um mostro, um mostro horrível e assustador
                -Ah é? Pois quero que saiba que você é a fada mais cruel que já existiu- Eu achei que ela iria me matar ou algo do gênero mas ela sorriu e disse
                -Sim, eu sou, a fada mais cruel que já existiu, mas eu parei de me importar tanto com isso, ainda dói um pouco, mas você não precisa se preocupar com o que os outros dizem, simplesmente seja você mesmo e deixe que apenas as pessoas importantes encontrem uma joia em você.

                Ela era um pouco solitária, se abria com pouquíssimas pessoas, me usava como cobaia em poções e abusava da minha paciência, mas sempre gostava de conversar comigo, graças a ela eu conheci a Diere. Sempre super protetora demais, mas eu sempre gostei de dormir perto dela, eu me sentia seguro”

13 de fevereiro de 2015

Amuletos: Mascaras

Eu não gosto do Carnaval, não vejo muita graça (mas considerando o fato de que eu não gosto muito de grande aglomerações de pessoa, isso é um sentimento normal). Porém eu acho as mascaras algo misterioso, e algumas são bem bonitas.



"Uma festa onde não se sabe quem é quem, a unica coisa que vejo é o brilho em seus olhos através da mascara" (Autor desconhecido)

Antigamente na Grécia costumava-se realizar os bacanais, festas em homenagem ao deus Dionísio, onde as pessoas usavam mascaras, e acreditavam que entre os convidado o próprio Dionísio estaria escondido, uma festa semelhante à Beltane. Festas assim deram origem ao carnaval.

Foram usadas no teatro grego para marcar bem as expressões e características dos personagens, alem de ampliar a voz dos atores. No teatro japones elas também era usadas, representavam deuses, pessoas, demonios ou duendes. As cores também eram importantes, o vilão era representado pelo preto, o governante corrupto pelo branco e um homem justo era representado pelo vermelho

Mas nas magia seu uso muda conforme a época e a região, Em algumas tribos da África, da America, e o Oceano Pacifico, uma mascara de crocodilo, irá trazer junto com ela o espirito do crocodilo, é como se usando uma mascara representando um espirito ou divindade, você recebesse seus poderes emprestados.

No Egito, as mascaras mortuárias, serviam para guiar e impedir que o espirito escapasse do corpo (não escapasse do corpo, ignorando toda a cultura egipcia, isso me deu uma historia de terror), em relação com a linha entre a vida e a morte, povos do himalaia criavam mascaras eram meios de comunicação com forças sobrenaturais

Bem, Eu vou ficando por aqui, espero que todos tenham um bom carnaval.

Fontes:
http://www.coladaweb.com/cultura/historia-das-mascaras
http://jornalao-arte.blogspot.com.br/2007/02/as-mscaras-de-carnaval.html
http://lounge.obviousmag.org/anna_anjos/2013/11/a-origem-da-mascara.html