28 de setembro de 2011

Safira, a ave caçadora- Capitulo 3

-Então, você está procurando o tumulo da sua mãe? Eu sei onde fica...
                -Serio? Pode me levar?
                -Posso, fica depois daquela caverna.
                Os dois seguiram em direção ao ninho de Safira.
                -Temos que ir lá.- Eu disse
                - Vamos, a propósito meu nome é Snip.
                Eu desci escorregando pela neve de novo, mas Snip estava indo muito bem.
                Entramos na caverna ainda escorregando, eu bati bem forte numa pedra. O que deve ter chamado a atenção de safira, eu me levante rápido e disse:
                -Taiff, fique longe dela, ela é perigosa.
                Safira me olhou como se eu tivesse roubado o jantar dela (e eu fiz isso). Depois o olhar dela se acalmou.
                -Uma raposa fada... E da floresta, o que faz por aqui?
                -Meu nome é Melody.- Eu disse
                -O meu é Safira, bela e dura como pedra.
                -Já conheceu alguém tão convencido?- Snip perguntou
                -Pior que já...- Eu olhei para Safira e disse- Escuta, você quer comida, eu quero o dragão, tem carne lá no castelo, eu posso te trazer.
                -Hum, para que eu vou esperar se há três refeições saborosas aqui mesmo.- Ela disse voando na minha direção.
                Não sei direito como nem por que, mas eu consegui desviar e morder a asa direita dela, infelizmente mordida de raposa fada não é como uma raposa de verdade, não machuca muito. Ela caiu e eu subi em cima dela, enquanto eu gritava para ela aceitar a minha proposta e ela gritava para eu sair de cima enquanto voava pela caverna Snip e Taiff nos observavam.
                -Elas parecem que...
                -Se conhecem a muito tempo?
                -É.
                Depois de um tempo Safira cansou de voar e eu cansei de ficar segurando nela então nós duas caímos.
                -Tudo bem, eu vou ver o que tem para comer nesse castelo- ela disse se levantando.
                Bem quando eu disse isso não esperava que ela comesse tanto, tinha um frango na geladeira que Ice tinha feito mais cedo para nós, ela comeu tudo. E ainda dizem que quem come pouco tem estomago de passarinho.
                -Cara nunca pensei que a comida podia ter um gosto melhor.- Ela disse
                -Melody, como ela consegue voar?- Taiff perguntou
                -Eu ouvi isso garoto, continue assim e você vai ser o próximo.- Ela disse olhando para o dragão.
                -Safira, você prometeu.- Eu disse
                -Eu sei, eu sei, nós aves caçadoras podemos ser predadoras frias, mas eu cumpro as minhas promessas. Aliais, gostei muito deste lugar, acho que vou passar a morar aqui.
                -O QUE???!!!- Eu disse  -Você não pode ficar aqui...
                Mas antes que eu pudesse terminar, Ice e kaila chegaram, Ice olhou para Safira, e eu pensei: “Ótimo, ela vai expulsar essa ave daqui”
                -AIIII!!!!! Kaila, olha que coisa mais linda, parece a minha beleza em forma de ave!!!!- Ice gritou.
                -Essa menina é tão linda, me sinto como se me olhasse num cristal de gelo. É Melody, parece que eu vou passar a morar aqui.
                E foi assim que Safira passou a morar no castelo, ela fica numa gaiola de cristal, impossível de ser quebrada, mas se pensa que isso poderia para - lá esta enganado, ela é muito boa em abrir gaiolas sem quebrar, e me parece que ela gosta muito de Ice.

27 de setembro de 2011

Livro: Asas- Aprilynne Pike

Bem, o meu final de semana foi muito cheio, no sábado eu fui no shopping, comprei um livro chamado "Asas" passei o final de semana todo lendo o livro, por isso acabei não escrevendo sobre alguma criatura domingo.
Esse livro é legal tipo, me lembra Crepúsculo (mas Lovely, você nem leu Crepúsculo), tipo muda algumas coisas na lenda, no livro as fadas não voam, o que para mim é uma coisa chata, já que para mim asas são o símbolo da liberdade, mas a historia em si é legal.
Laurel, a fada, fica dividida entre um elfo, e seu melhor amigo que é humano, é tão fofo (menos Lovely, ninguém quer ver um dos seus ataques românticos)... Continuando eu até que gostei do livro. (Tanto que vai passar a semana inteira falando desse livro)
Curiosidade secreta: O nome da personagem principal é Laurel (Lovely) e o nome do melhor amigo humano dela é David (Daniel) Coincidencia, não? Só para tirar as duvidas, os comentários acima entre parênteses provavelmente seria da minha prima Ice.

26 de setembro de 2011

Safira, a ave caçadora- Capitulo 2

-Para onde ele foi?- Eu perguntei
                -Ele fugiu pela janela enquanto você esfregava o meu focinho no chão.
                Olhei para a janela que agora estava aberta e vi que ele estava longe voando em direção a montanha. Sai voando atrás dele mas ele estava realmente longe. A montanha dos dragão estava se aproximando e começou a ficar frio, foi quando eu me lembrei por que raposas fadas não vão para a montanha dos dragões, pois nossas asas congelam. Comecei a cair e rolar pela neve e perdi Taiff de vista.
                -Ahhhhhhhh e agora? É impossível eu conseguir encontrar o Taiff aqui.
                Eu comecei a ver uma mancha branca correndo pela neve, eu ainda estava tonta por causa do tombo, quando eu consegui voltar ao normal dois olhos azuis estavam me olhando.
                -Você está bem?- Ela me perguntou.
                Era uma raposa fada do ártico, ela possuem asas mais resistentes, são brancas como a neve e tem olhos azuis.
                -O que uma raposa fada da floresta faz por aqui?
                -Estou procurando um filhote de dragão europeu, ele se chama Taiff.
                -Ele é órfão?
                -Sim, ele é, por quê?
                Dragões filhotes devem tomar muito cuidado nessa área da montanha, aqui é o território das aves caçadoras.
                -Aves caçadoras?
                -São pássaros, do tamanho de uma arara, mas tem o comportamento de aves de rapina, talvez até pior, como aqui é muito frio elas podem caçar coisas muito maiores que elas, sem o perigo de apodrecer, algumas conseguem caçar dragões. Elas são muito mais fortes do que parecem.
                -Mas eu tenho que encontrar o Taiff, ele não sabe se cuidar ainda, nem cuspir fogo.
                -Tem alguma idéia de para onde ele foi?
                -Ele queria ver o tumulo da mãe, mas eu não faço idéia de onde seja.
                - Eu sim, como eu disse, aves caçadoras são muito fortes, mas comer um animal morto poupa trabalho, deve estar no ninho de alguma delas. E dragões tem um ótimo faro.
                -Você fala com tanta naturalidade, não está preocupada?
                -Por aqui você deve manter o sangue frio.
                -Isso não é difícil- Eu disse tremendo de frio
                -Estou dizendo que se entrar em desespero irá morrer, mantenha a calma... Espera, estou ouvindo alguma coisa
                Eu levantei as minhas orelhas e também escutei, parecia uma conversa, mas o vento era mais alto, eu não conseguia ouvir direito, nós duas corremos na direção do som, quando eu avistei Taiff, quando estava prestes a gritar o nome dele, a outra raposa me segurou.
                -Espera, olhe! Uma ave caçadora.
                Olhei para aquela direção e vi uma ave de penas azuis, o interior das suas asas era branco e seu bico parecia uma pedra, ela tinha uma calda longa e delicada.
                -Ela é bonita.
                -Não se engane, aquela é a Safira, uma das aves caçadoras mais perigosas.
                -Nós temos que salvar ele.
                -Ela não vai matá-lo, não agora. Safira engana as sua presas e as leva para o seu ninho.
                Eu levantei as minhas orelhas para escutar a conversa.

24 de setembro de 2011

Feijõezinhos de todos os sabores

Hoje eu fui no shopping Morumbi e a minha mãe comprou uma caixinha de feijõeszinhos de todos os sabores (daqueles que aparecem no Harry Potter) para o meu primo, ele provou um que deveria ter gosto de pudim de chocolate, mas era comida de cachorro (ele não disse que gosto tinha, mas pelo jeito que saiu correndo não era chocolate) O primeiro que eu provei era para ser de amora (tinha gosto de pasta de dente). Acho que vou levar para a escola, isso poder ser muito engraçado.

No pacote que a minha mãe comprou tinha 8 cores cada um podia ser boa ou ruim, centopeia ou morango,pasta de dente ou amora tripla, comida de cachorro ou chocolate, vomito ou pessego, queijo mofado ou pipoca caramelada, ovo podre ou pipoca amanteigada, lenços para bebês ou coco, meleca de nariz ou pera. E ai? Tem coragem?

Safira, a ave caçadora- Capitulo 1

Oi, meu nome é Melody, sou a raposa fada da Lovely, na verdade meu nome completo é Melodia Magnólia Lótus, mas a Lovely só me chama de Melody, ou Mel. Depois que ela viajou eu fiquei com falta do que fazer, antes eu procurava plantas para ela fazer poções, ou ela me ensinava as coisas que havia aprendido na escola, agora eu passo o dia lendo os livros dela.
                Num dia eu estava lendo quando ouvi um barulho vindo do quarto da Diere, era o Taiff, ele estava tentando abrir a janela do quarto.
                -O que esta fazendo moleque?
                -Eu estou querendo visitar a minha mãe.
                -Mas a sua mãe não morreu?
                -Eu sei, mas eu queria visitar o tumulo dela
                -Isso é muito fofo Taiff, mas a montanha dos dragões é muito perigosa, você não deveria ir com a Diere?
                -Ela esta muito ocupada cuidando do Pegasus, e eu queria ir agora.
                - Eu não posso deixar que você faça isso Taiff- Melody disse bloqueando a janela.
                -Deixa o garoto ir- uma voz surgiu do nada
                -Cháy, eu tinha que imaginar, sempre se metendo onde não é chamado.
                -Escuta aqui raposinha, eu sei como os dragões se sentem, eu já fui um, o menino só quer ver o tumulo da mãe, e sem falar que vivendo aqui ele vai se tornar um dragão mimado.
                -E se for para lá sem um acompanhante ele vai morrer.
                -Só estou dizendo que o mundo dos dragões é assim, não é que nem essa frescura de raposas fadas onde todos se ajudam independente da espécie.
                Eu ignorei as palavras daquele gato do vulcão rabugento e disse:
                -Taiff, se quiser eu vou com você.
                -Você vai com ele? E como vai proteger ele de um dragão adulto? Vai soltar aroma de flores?- Cháy disse rindo- garoto você está melhor sozinho, uma raposa fada não pode defender ninguém.
                -Isso não é verdade, um tempo atrás todos foram atacados por um fantasma e só eu e a Lovely escapamos, eu fiquei distraindo o fantasma enquanto ela fazia um feitiço.
                -Sei, naquele sonho que vocês tiveram?
                -Não foi um sonho, nós duas lembramos.
                -Isso é normal, raposas fadas tem uma ligação muito forte com as suas donas. E no caso de vocês maior ainda já que as duas são loucas.
                Geralmente eu ignoro o Cháy, ele vive dizendo que ele foi enfeitiçado para cuidar da Kaila, e por isso as fadas acreditam nisso, mas nós animais mágicos sabemos a historia dos gatos do vulcão, não é que eles tinham uma missão grandiosa, ele só eram criados por pessoas que não tinham espaço para ter um dragão, ou precisavam esconder ele na forma de um animal normal, é claro que isso é um humilhação, por isso cada um deles só pode virar dragão novamente durante um dia da sua vida, nesse dia eles aproveitam para espalhar essa lenda, ele é legal as vezes, mas agora ele tinha passado dos limites, eu até agüento me insultar, mas nunca insulte a Lovely, digamos que eu limpei o chão com a cara dele. Quando me dei conta, Taiff tinha sumido.

21 de setembro de 2011

Lume e Diere- Capitulo 4

Novamente nos campos verde azulados, a campina dos unicórnios, Pegasus estava deitados na grama ao lado de sua mestra Feile, mas agora os dois era crianças.
                -Como vai o treinamento pegasus?
                -Bem, eu acho, mestra? Por que você é tão dura com os animais que protege?
                -Se eu não demonstrar confiança em mim mesma como vou passar confiança para eles? Ser uma fada dos animais é um trabalho muito difícil, você não tem que achá-los fofinhos, tem que demonstrar autoridade, olhe para você Pegasus, é teimoso e não aceita ordens de ninguém, menos de mim.
                -Mas você cuidou de mim desde que eu era filhote.- Ele disse
                -Você ainda é um filhote, às vezes eu gostaria que você fizesse amigos, pode ser divertido...
                Diere estava ao lado de Pegasus quando ele acordou, ele olhou um tanto confuso para ela e disse:
                -Quem é você?
                -Meu nome é Diere.
                Pegasus reconheceu o nome de algum lugar, talvez um sonho, ou uma lembrança.
                -Feile era a sua dona não era? Assim como eu cuido do Taiff, você ficou falando dela o dia inteiro.
                -O que aconteceu?
                -Você teve o chifre arrancado e perdeu a memória.
                -Por isso não me lembro de nada?
                -Bem, eu acho que você esta começando a se lembrar das coisas, já começou a lembrar da sua antiga dona, o que mais você se lembra?
                -Lembro que no dia que os caçadores invadiram ela não fugiu, ela tinha que proteger os animais daqui,  foi por isso que ela foi embora, ela disse para eu me esconder, e treinar a nova fada dos animais.
                -É por isso que é tão teimoso comigo? Por que não quer que eu substitua ela?
                Pegasus não disse nada, sempre se manteve indiferente a qualquer coisa, mas Feile era a única pessoa que ele amava, por isso que as vezes tratava Diere tão mal, por que as ela era a nova fada dos animais, mas era muito diferente de Feile, para começar era muito insegura. Diere sabia a resposta da pergunta, então disse:
                -Eu não quero ser ela, só quero ser sua amiga- E foi embora.
                Mais tarde Ice e Kaila voltaram com Alex, e contaram sobre a aventura que tinham tido naquele dia, Lume estava ao lado de Diere ele se virou e disse:
                -Dessa vez eu vou convidar ela para sair.
                -Lá vamos nós de novo- Diere disse baixinho
                Depois que Alex saiu Lume se aproximou e disse:
                -Ice, você é fantástica, gostaria de sair comigo um dia desses?
                -Cara como você é chato!!! Eu não gosto de você, não consegue entender? Eu te acho um idiota.
                Lume voltou para onde Diere estava e disse:
                -Eu esperava que levar um fora não fosse tão doloroso assim.- Ele dizia muito magoado
                Mas ele parou quando viu um machucado na mão de Diere.
                -Nossa o que aconteceu com você?
                -Foi um acidente, não se preocupe.
                Lume tirou as ataduras e usou seus poderes para curar o ferimento.
                -Puxa obrigada... Você poderia fazer a mesma coisa com o chifre do Pegasus?
                -Claro, eu adoraria ajudar.
                Enquanto isso Giselle se aproximou de ice e perguntou:
                -Não acha que foi muito cruel?
                -Acho que foi necessário, ele estava sendo muito chato.- Ela disse
                -Foi uma coisa muito bonita o que fez.
                -Eu não fiz nada, ah aquilo? Não foi nada de mais.
                -Quem você está tentando enganar? Todo por aqui sabem que você não perderia a oportunidade de ficar com um garoto bonito e ainda fazer alguém sofrer por isso. Só gostaria de saber, o que a fez tomar esse ato de bondade?
                -Eu não sei do que está falando Giselle, ele só não fazia o meu tipo
                -Fazer o seu tipo não tem nada a ver com isso, bem, talvez você não seja a fada cruel e fria que todos dessas escola temem e acreditam que você seja, talvez dentro de você haja uma menina boa de coração quente.
                Ice ignorou as palavras de Giselle e foi embora sem olhar para trás.

19 de setembro de 2011

Lume e Diere- Capitulo 3

Lume se levantou e foi em direção a Ice (que curiosamente estava arrastando um vampiro amarrado com cordas mágicas), ele estava decidido a dizer a ela o que sentia.
                “ Lá se vai ele” Pensou Diere “Deveria ter feito a mesma coisa que ele vai fazer a muito tempo, não sentir medo. Agora já é tarde, Ice nunca iria recusar...”
                Ao topar com o olhar frio da fada ele congelou, não conseguia pronunciar uma só palavra, meio que gaguejando ele disse:
                -Ice... Eu queria...
                Novamente ela acreditou que se tratava de uma revanche e disse que ele teria que esperar, ela se virou puxando a irmã que parecia um tanto curiosa pela insistência do garoto, sobre a luta. Ela de dirigiu em direção a biblioteca subterrânea ele voltou para falar com Diere.
                -O que aconteceu?- Ela disse um pouco feliz por ele não ter dito e um pouco triste por ele.
                -Eu não sei, foi só olhar nos olhos dela que eu congelei .Não achou estranho ela carregar um vampiro desdentado?
                -Não, as vezes coisas assim acontecem. Deve ser algum intruso ou algo assim. Sabe Lume, eu queria te perguntar uma coisa. Eu gosto de um garoto... e queria saber como eu faço para que ele saiba disso sem ter que dizer.
                -Se um garoto não percebe isso ele deve ser um idiota.
                Diere tentou segurar o riso, e soltou uma tosse.
                -Por que você acha isso?
                -Você sempre suspeita que alguém goste de você, só não admite, pois acredita que essa pessoa está brincando.
                -Serio?
                -Para falar a verdade eu não faço a menor idéia do que eu estou falando, só queria fazer você rir.
                Os dois começaram a rir juntos, depois de um tempo Ice e Kaila saíram da biblioteca e levantaram vôo.
                -Para onde você acha que elas foram?
                -Não sei, devem ter ido viajar para algum lugar, um dia eu gostaria de fazer essas viagens de missões, elas sempre contam varias aventuras que tiveram.
                -Por que vocês fadas vivem voando e mesmo quando estão no chão começam a viajar?
                -Eu não sei direito, só algumas fadas fazem isso, a Lovely diz que é como se sentir livre, ser você mesma e não sentir medo, a Giovana diz a mesma coisa.
                -A fada das trevas?
                -Sim, ela também é a fada da liberdade, eu não sei direito a historia dela, não é muito boa em matérias escritas, ela é boa em luta e em voar, mas para participar das competições ela precisa de notas, por isso a Giselle esta ajudando ela.
                -É verdade que o Pegasus perdeu a memória?
                Diere não gostava de falar sobre isso, ela tinha medo de que não conseguisse cuidar dele direito e ele nunca mais recuperasse a memória ou o seu chifre, tinha medo de que ele esquecesse de quem ele era e começasse a atacar os animais que costumava defender.
                -Sim é verdade. Eu tenho muito medo de que eu não seja boa o suficiente para cuidar dele.
                -Eu acredito que você vai conseguir.
                Diere levantou a cabeça e olhou para Lume.
                -De todas as fadas, até de todas as fadas dos animais, você foi a única que consegui falar com o Pegasus, antes ele ignorava qualquer um que chegasse perto.
                -Eu acho que ele só se aproxima de mim por obrigação, como se ele se sentisse obrigado a fazer isso, não quero que seja assim, eu realmente queria ser amiga dele, mas isso não vai ser possível se ele não confia em mim.

17 de setembro de 2011

Lume e Diere- Capitulo 2

A grama tinha uma cor verde azulada com gotas de orvalho em cima, O sol estava escondido atrás das nuvens, mas alguns raios passavam iluminando aquele campo.
                -Pegasus? Acorde...
                Pegasus levantou a cabeça para ver a mulher de cabelos castanhos e olhos verdes. Ela estava suada, e tinha vários machucados, mas apesar disso estava sorrindo
                -Mestra? O que houve?
                -Já disse que pode me chamar pelo meu nome, Feile- Ela disse sorrindo- Aconteceu algo terrível, caçadores invadiram a cidade, todas estão fugindo ou sendo mortas.
                -Mas como eles entraram?
                -Até as melhores amigas podem brigar Pegasus. E quando isso acontece os inimigos se fortalecem
                -Está dizendo que as três rainhas brigaram?
                -Elas foram separadas, eu não sei se a cidade vai sobreviver a essa crise, você vai viver muito tempo, mais tempo que as outras fadas, daqui a muitos anos vai haver uma nova fada dos animais...
                -Mas eu não quero uma nova dona.
                -Ela não vai ser a sua dona, você deverá treinar ela.
                -Mas e você?
                -Eu não posso abandonar os animais de Magictopia, vou fazer um feitiço para protegê-los, e você vai se esconder até as coisas ficarem mais tranquilas, vou estar sempre ao seu lado.
                -Espera mestra, por favor... FEILE!!!!!!
                -Pegasus? Você esta bem?- Diere perguntou
                Pegasus se levantou assustado, ele estava num estábulo especial que Diere tinha construído para poder cuidar dele.
                -Quem é você?- Ele perguntou.
                -Ainda não se lembrou de mim? Quem é Feile? Você estava gritando o nome dela.
                -Você a conhece? O que aconteceu com ela?
                -Xiii to vendo que eu vou levar uma chifrada de novo.
                Pegasus começou a ficar confuso e acabou atacando Diere fazendo um machucado na sua mão. Diere teve que sair de lá para fazer um curativo. Ela se sentou no banco do pátio da escola, já havia um tempo que pegasus estava lá, ele precisava repousar ainda não se lembrava de muita coisa.
                -Não sei se eu vou conseguir cuidar dele sozinha...
                -Diere!!! Ai esta você!!! Eu preciso de conselhos.
                -Lume? O que aconteceu?
                -Ela esta vindo, e eu preciso falar alguma coisa.
                -Você não tem medo dela dizer não?
                -Eu tenho, eu sou muito tímido, por isso que preciso da sua ajuda.
                -Eu sou a pessoa mais estranha para te ajudar, não sei se você percebeu, mas eu sou a fada mais tímida dessa escola.
                -Mas todos dizem que você salvou um filhote de dragão, escalou as montanhas sozinhas, e conseguiu se aproximar de Pegasus.
                -Mas com animais as coisas são bem diferentes, eles não vão rir se você disser que gosta de uma pessoa.
                -Você tem razão, ficar com vergonha é uma idiotice, eu vou lá falar com ela sem sentir medo.
                -Então vá rápido, ela chegou.

16 de setembro de 2011

Kelly Martoer

Hoje eu estava arrumando a minha estante de livros quando encontrei um livro que eu li quando era criança, se chama Kelly Martoer.
Me lembro direitinho do dia em que a minha mãe comprou para mim, a gente estava na 19ª Bienal do livro,(Sei disso porque ela escreveu uma dedicatoria, e a data é de 11/03/2006, eu estava vendo alguns livros, quando a minha mãe me chamou, ela disse que aquele livro era a minha cara, comprou toda a serie e pediu a dedicatoria para a autora, Natalia  Azevedo, na época ela tinha apenas 13 anos.
São três livros, O jaerdim de raios, O mistério do rei e A máquina do tempo. Conta a historia de uma garota de 12 anos que acaba descobrindo que é uma bruxa , e que sau mãe e sua avó tambem são, é ai que começam as suas aventuras.
Bem eu vivo procurando livros intereçantes nas livrarias, e nunca encontrei um novo da serie. Mas quem ficar curioso eu recomendo ler.

14 de setembro de 2011

Lume e Diere- Capitulo 1

                “Queria que as coisas fossem mais fáceis, como três palavras podem ser tão difíceis de serem ditas e tão belas? Nós vemos todos os dias pessoas que amamos, e que nos amam, mas por mais que meu coração queira dizer sim, a razão me faz permanecer calada, por que?Simplesmente por que somos assim”
                Diere olhava para o garoto que lutava contra Ice, ele era bom, criou uma nuvem de nevoa para cegar a fada do gelo, mas Ice era muito esperta, congelou a nevoa em forma de pequenos cristais de gelo que refletiam tudo, mas só ela enxergava, assim ficaria fácil   derrotá-lo
                - Você é muito burro mesmo, como ira enxergar nessa nevoa?
                -Era só para te deixar cega como um morcego
                -Morcegos não são cegos, eu também não estou.
                Pelos cristais Ela viu a posição do oponente e fez com que se grudassem nas pernas dele formando uma camada dura de gelo. As pernas dele se transformaram em uma cauda de peixe fazendo ele cair e ficar preso no chão pelo gelo.
                -Eu ganhei. - Ela disse saindo da arena.
                Diere desceu as escadas e foi ajudar o garoto a se soltar do gelo.
                -Você está bem Lume?
                -Estou... Você é a... Diere não é mesmo?
                -Sim...
                -Conhece aquela garota? Ela mora com você no castelo não é?
                -Conheço, ela se chama Ice, é a prima da Lovely
                -É a garota mais bonita que eu já vi, preciso falar com ela, mas como? Você pode me ajudar?
                “Algo tão estupidamente irônico, ajudar a pessoa que você ama a conquistar outra. Eu começaria a rir se não fosse tão triste”
                -Claro...
                -Ótimo, podemos ir agora para o castelo, você sabe do que a Ice gosta?
                -Jóias, coisas roxas e que brilhem.
                -Eu posso dar um colar assim para ela, como eu vou dizer que eu gosto dela? E se ela não gostar de mim?
                -Calma, uma amiga sempre me diz que você tem que enfrentar isso como se enfrentasse uma luta, dizer o que sente na hora, e levar um tombo é o único jeito de se levantar.
                -Esta me dizendo que eu devo dar um soco nela?
                -Se você fizer isso não viverá para contar a historia.
                -Então o que eu tenho que fazer!!!???
                -Falar o que sente? Se ela disser sim... vai estar tudo bem (menos para mim), se disser não bem, uma hora você vai ficar bem. Vamos, como você não sabe voar vai demorar um tempo para chegar lá.
                Os dois chegaram no castelo, gritos estavam sendo ouvidos, e eram de Ice. Diere abriu a porta e viu uma cena um tanto estranha. Ice estava segurando um garoto pelo pescoço e segurando uma espada.
                -Olha se esta querendo uma revanche,  terá que deixar para depois, estou ocupada nesse momento.- ice disse.
                -Mas eu queria...
                -Desculpe, mas vai ter que esperar até amanhã – Kaila disse fechando a porta.
                -Ela fechou a porta na nossa cara! E quem era aquele cara? Ela gosta dele?
                -Eu acho que não, a Ice bate em todo mundo, não só nos garotos que ela gosta. Vamos voltar para a escola, tenho coisas para fazer lá.