30 de maio de 2011

A Borboleta negra- capitulo 4 -Um final feliz(blerg)

-Monstros são vocês, perseguem pessoas inocentes.
-Criaturas que podem lançar bolas de fogo não são inocentes.
-E meus irmãos? Eram só crianças normais, você mesmo mataria seus próprios filhos.
Giovana não estava nada bem ela já tinha sentido algo parecido com aquilo, seu sangue estava esquentando, e o coração batendo cada vez mais rápido, só mais um pouco ela perderia o controle.
-Eu não podia deixar seu irmãos vivos, eles eram da sua família, deveriam morrer junto...
Marcos parou de falar e caiu no chão, alguma coisa tinha acontecido, ele estava morto, mas não tinha nenhum ferimento, algo matou ele por dentro, os dois se viraram para Giovana que estava saindo do transe.
-Giovana- Delina começou- Você fez isso?
-Eu não sei, eu só queria que tudo acabasse.
Desde que Giovana era pequena Delina sabia que ela tinha poderes muito especiais, mas não sabia que ela podia fazer uma coisa dessas.
-Eu m-matei ele?
-Na verdade não, ele está respirando, só desmaiou
Marcos começou a se mexer, ele se levantou um tanto confuso e perguntou.
-Quem são voces?- ele perguntou
Delina e Rick se olharam e depois olharam para Giovana.
-Giovana? Você sabe apagar memórias?
-Acho que sei, mas vamos dar o fora daqui, os outros caçadores devem estar chegando.
Eles saíram correndo e passaram por um parque, algo chamou Giovana.
-Esperem...
-O que foi Giovana?
-Eu preciso ficar, alguma coisa está me chamando.
Ela voltou e pegou uma pequena pedra que se rachou e se tornou um cristal negro em formato de borboleta, o cristal começou a sussurrar: “Encontre Magictopia”
“ Bem, essa é a minha historia, Rick me deu a sua adaga de ônix, ela se fundiu com o meu cristal. No começo eu não entendi a mensagem do cristal, depois eu cai num mundo totalmente novo e conheci três fadas, Lovely, uma fada muito romântica, Ice uma fadinha do gelo muito chata, e Kaila uma fada muito meiga e ingênua. Passei a viver em Magictopia e Delina e Rick passaram a viver juntos, viajando pelo mundo”.

23 de maio de 2011

A Borboleta negra- capitulo 3- A traição

-Tem algo de errado- Ela disse.
-Ela esta apaixonada- Disse Jennifer.
-Não, é isso, tem algo de errado nele.
-Você é paranóica Giovana.
Quando todos já tinham ido dormir Luis foi até a tenda de Delina, a perna dele estava bem melhor, conseguia andar sem fazer barulho, ele tirou uma adaga de pedra negra de um cinto que estava escondido debaixo da roupa, ele se aproximou da cama com a adaga na mão... Mas quando já estava bem perto ele parou, alguma coisa dentro dele o impedia. Ele saiu do acampamento e foi para o parque se jogou na grama gritando:
-PORQUE EU NÃO CONSIGO MATA-LÁ?? Já matei tantos, por que com ela é diferente?
Ele ficou lá durante um tempo quando viu uns homens se aproximando, eram os caçadores.
-Rick!!! Que bom te ver, já matou a garota? Onde é o esconderijo dela
-Não, ainda não. Não sei onde ela mora. Mas por que querem mata-lá?
-Ela matou nossos parceiros é perigosa. E sem falar que ela é uma fada, e todos sabem que fadas podem fazer com que as pessoas se apaixonem por elas. E ela fez a mesma coisa com você não é mesmo?
Rick começou a acreditar que ela o enfeitiçou. Como seria possível ele gostar dela em apenas dois dias? Um ódio começou a crescer dentro dele.
-Ela mora naquele lugar abandonado. Amanhã à noite vocês podem atacar o lugar eu vou manter ela longe do acampamento.
Na noite seguinte Rick e Delina saíram e os caçadores invadiram o acampamento, foi uma massacre, a única fada que já tinha ficado frente a frente com um caçador era Giovana, ela não sabia como eles haviam conseguido encontrar o acampamento, já que era protegido por um feitiço mas ela tinha uma leve suspeita, ela não podia avisar Delina, as outras fadas precisavam dela, ela teve que se esconder para não ser morta.
“Por que eles não estão capturando as fadas? Geralmente eles fazem experiências com fadas capturadas, por que não capturaram nenhuma”
De repente uma frase apareceu em sua mente que fez o seu sangue gelar:
“Por que eles vão fazer varias experiências em uma fada só... Borboleta!!!”
Quando Delina e Rick voltaram os caçadores estavam esperando por eles.
- O que aconteceu aqui? Cadê as outras?- Ela perguntou.
-Delina, há quanto tempo, como vai o seu pai? Ah, é mesmo, eu matei ele.- Um dos homens disse.
Os olhos de Delina se arregalaram, era Marcos o caçador que foi na casa da sua família.
- Luis, fica atrás de mim- Ela disse
Rick largou o braço dela e foi para o lado dos caçadores.
-Luis?- Marcos riu- Esse foi o nome que você inventou? Delina... O nome dele é Rick. Levem ela- Ele ordenou
Os outros caçadores correram atrás dela, ela tentou sair voando, mas uma flecha de metal atravessou a asa dela e ela caiu no chão.
-Eu confiei em você!!!-Ela disse
“Eu também”- Ele pensou
Os caçadores colocaram ela numa jaula a prova de magia, Marcos entregou um saco de dinheiro a Rick. Os Caçadores foram embora e ele ficou ali no antigo acampamento. Giovana se aproximou dele e o agarrou por trás.
-PARA ONDE LEVARAM ELA?!-Ela gritou
-Parece que sobrou uma... Ela vai ter o que merece.
-Como assim? Ela não te fez nada.
-Ela me enfeitiçou, o Marcos disse que fadas podem hipnotizar as pessoas.
-E o babaca acreditou, como humanos são burros, não está vendo que ele te enganou?
-Como é possível que eu tenha me apaixonado por ela em tão pouco tempo.
-Como, eu não sei, mas ela gostava de você, e ela nunca foi boa em feitiços, não tinha como ter sido ela. Eu te mataria agora por ser tão tonto, mas preciso de você para achar a Borboleta.
-O nome dela é Delina. Eles a levaram para a casa do Marcos tem um laboratório embaixo.
A casa parecia com uma casa normal, mas embaixo dava para ver que havia um enorme laboratório. Giovana estava procurando Delina, que estava presa numa jaula de vidro.
Os dois entraram lá e lutaram contra os caçadores. Quando entraram na sala que Delina estava ela atacou ele.
-Seu traidor, eu vou quebrar sua outra perna.- Ela dizia pulando em cima dele.
-Delina, eu sei que eu fui um idiota, me perdoe
-Perdoar você?Por sua causa todas as minhas amigas estão mortas, Eu deveria te matar agora mesmo.
-E por que não faz isso?-Giovana perguntou.
-Ei! Eu quero ficar vivo!-Ele disse- Delina, eu não sei como, mas eu te amo.
-Eu acho que vou vomitar- Disse Giovana.
-Mas por mais que você seja um idiota, eu não consigo parar de gostar de você.
Giovana realmente estava vomitando, ela virou o rosto quando os dois se beijaram, Giovana, definitivamente não era uma fada romântica, aquela cena foi cortada quando Marcos apareceu.
-Sabia que iria atrás da sua fada- ele disse.
-Você me enganou, ela não pode me enfeitiçar- Rick disse.
-Não me entenda mal, a missão da minha família é extinguir todos esses monstros.
O sangue de Giovana congelou, era isso que a mãe dela tinha falado, que ela era um monstro, talvez tivesse sido só o susto, mas agora ela não teria como saber.

16 de maio de 2011

A Borboleta negra- capitulo 2 -O homem misterioso

Quatro anos se passaram. Giovana já estava com quase quatorze anos,             ela estava em cima da arvore, usava uma camiseta e um short preto, junto com um cinto. Ela criou um certo desprezo por humanos quando ainda estava sozinha, nenhum deles queria ajudar ela, e por isso ela acreditava que humanos eram criaturas nojentas.
- Que tédio, queria que alguma coisa acontecesse.
-Cuidado com o que deseja Giovana, pode se realizar- disse uma fada chamada Jennifer.
-Você quer lutar?
-Hum, pode ser.
Giovana ficou tão ocupada que não nem quis sair com Borboleta negra. Já era noite e entre os prédios o vento soprava de uma maneira estranha, como se estivesse avisando sobre algo. Tinha alguém a seguindo, era alto e forte, não o suficiente para derrota-lá, mas ela não podia baixar a guarda.
Com um chute certeiro na perna ele caiu, assim não poderia se mexer, ou tentar ataca -lá.
O homem caiu desmaiado no chão. Ele havia batido a cabeça no chão, isso nunca tinha acontecido. Ela não podia deixá-lo lá, mas ela não podia levar para o acampamento, e se ele fosse um caçador? Analisou ele durante um tempo e chegou a conclusão que ele era uma pessoa normal e que deveria levar ao acampamento.
-O QUE???!!!- disse a fada que cuidava dos feridos, Barbara.
-É só por um tempo, ele está ferido.
-TÁ!!! Mas não deixe que a sua aprendiz descubra, sabe como ela fica perto de humanos.
O homem acordou e olhou assustado para os lados, tentou se levantar, mas a perna não deixou.
-O-o que a-aconteceu?
-Eu acertei você e acabei quebrando a sua perna
-O que???!!!!
-Não se preocupe, com a minha magia você vai ficar melhor muito mais rápido.- disse Barbara
-MAGIA!!!????
-Errr.... Melhor nós explicarmos com calma, nós somos fadas, fica calmo...- Borboleta sugeriu.
-FADAS? ESSE TROÇO NÃO EXISTE!!!
As duas trocaram olhares e Barbara falou:
-Como eu dizia Borboleta, Mantenha ele BEEEEEM longe da Giovana.
-Bem.... Qual é o seu nome?
-Luis.
-Pode me chamar de Borboleta negra, você pode ficar aqui até conseguir andar.
-Já está tarde, vamos dormir- disse Barbara.
As duas saíram para apagar as luzes da fogueira lá fora e colocar as fadas mais novas para dormir. Luis ficou deita na tenda, se sentou com dificuldade, bateu no chão com força e disse:
-Droga!!! Eles não me disseram que ela tinha poderes, não posso mata -lá com a perna quebrada, isso vai ser mais difícil do que eu imaginei...
Ele parou de falar, tinha alguém vindo, ele ouvia uma voz do lado de fora.
-Quem dorme nessa barraca?
Giovana entrou no quarto e viu que havia um Homem lá. Ela espremeu os olhos numa expressão de raiva.
-Quem é você e o que esta fazendo aqui?
-Que menina bonitinha, o que você pensa que pode fazer?
Giovana segurou ele pelo pescoço e levantou acima da cabeça.
-Eu penso que posso torcer o seu pescoço com um braço só.
- C-calma, eu sou convidado da Borboleta negra.
Giovana soltou ele de volta na cama.
-Ei!!! Minha perna esta quebrada.
Ela espremeu os olhos de novo e disse:
-Pode até ser verdade que a sua perna esteja quebrada, mas se eu desconfiar que pretende fazer algum mau a minha mestra, eu acabo com você.
E saiu da barraca como se nada tivesse acontecido. Ela foi até a barraca da Borboleta Negra.
-O que aquele HUMANO faz aqui?- disse Giovana
-Eu quebrei a perna dele sem querer.
-Deveria ter quebrado a coluna dele.
-Giovana, Vai ser uma ótima experiência para você, você vai aprender que nem todos os humanos são ruins.
-Nunca serei amiga de um humano- Ela disse cruzando os braços.
A borboleta soltou um suspiro fazendo uma mecha de a sua franja voar, Giovana fez a mesma coisa e foi dormir.
No dia seguinte Luis foi ver o treinamento das fadas.
-Quem é aquele cara?- Jennifer perguntou.
-Um humano, ignore, Borboleta disse que eles não são tão ruins, mas ela já me disse que caçadores podem ser legais.
-ATENÇÃO!!!!- Gritou a Borboleta- Se acabarem ficando perdidas da cidade, o que não devem fazer?
-Nunca usar seus poderes, os caçadores estão por toda parte. – disse Giovana.
-Muito bem Giovana, como devem saber, caçadores são especialistas em achar e matar seres como nós. Fadas das trevas aprendem a derrotá-los desde cedo.
-Eles são cruéis- Disse Jennifer- Ouvi dizer que existem leis entre eles que dizem que se uma fada nascer na família, ela deve ser morta. Meus pais morreram quando caçadores invadiram a minha casa.
-Muito bem- disse Borboleta- A aula acabou garotas, todas para suas tendas.
-Borboleta, eu quero falar com você- Disse Luis.
-Puxa, você se recuperou rápido, bem que a Barbara disse, só com um pouco de mágica você ia ficar melhor rapidinho, semana que vem já vai poder andar sem precisar de apoio., mas o que você quer?
-Você quer sair, comigo?- Ele perguntou
-Num encontro?
-Não, não, só para eu entender essa historia
A cidade estava diferente aos olhos daquela fada, agora o que era terror e perigo se transformou em luzes e cores, aquilo era completamente diferente da cidade que ela conhecia. Eles estavam num parque, as luzes dos postes iluminavam ainda mais as árvores.
-Eu nunca fui para esse lado da cidade, parece diferente de tudo o que eu vi, é a primeira vez que eu saio do acampamento sem ser para matar caçadores.
- Matar? Como assim?
-Eu nunca contei isso para as outras fadas, mas não há motivo para esconder de você. Eu era muito feliz com a minha família, eles não se importavam em ter uma fada das trevas na família. Mas um dia eu estava brincando com os meus irmãos e alguém bateu na porta. Meu pai disse para eu me esconder. Eu fui para um esconderijo que dava para fora de casa, fiquei lá olhando por um Pequeno buraco na porta e consegui ouvir tudo...
“-Cadê ela Roberto? Eu sei que a sua filha é uma fada.
-Eu não tenho filha, não esta vendo?
-Esqueceu que nós caçadores sabemos quando alguém esta mentindo? Você é um traidor, e deve ser eliminado.”
-Eu vi a minha família toda ser morta, e eu não podia fazer nada, eu sai correndo e formei o grupo de fadas das trevas e passei a perseguir os caçadores que mataram a minha família.
-Então é por isso que você estava na rua na noite que você me acertou?
-É, meu pai mesmo sendo um caçador ele se recusou a matar a própria filha.
-Quem são os caçadores que vocês tanto falam?
-São humanos que existem desde a idade media que prometeram exterminar todas as criaturas mágicas.
- E eles nunca tentaram te matar?
-Alguns, mas eu sou uma especialista em caçar caçadores.
“Então foi por isso que me contrataram. Eles não conseguiam mata-lá então me pagaram para fazer isso já que eu não ajo como um caçador” ele pensava.
-Bem, mas não estamos aqui para falar de coisas tristes, o que vocês humanos fazem para se divertir?
-Hum... Eu não sei, o que vocês fadas fazem para se divertir?
Ela pegou ele pela mão, abriu as asas e levantou vôo. Luis não parava de gritar.
-Me solta!!!!!!
-Acho que você não iria gostar, agora pare de gritar e veja:
Luis abriu os olhos e viu que o céu não estava mais nublado as nuvens estavam abaixo deles q as estrelas brilhavam acima deles no céu. Parecia que eles estavam andando sobre as nuvens.
-Vocês vêem isso todas as noites Borboleta?
Ela balançou a cabeça negativamente.
-Faz muito tempo que eu não vejo um céu tão bonito, eu só saia do acampamento para caçar, minha mãe dizia que a raiva nos deixava cegos, a propósito, me chame de Delina.
-Delina?
-É, esse é o meu nome, Borboleta negra é só um apelido.
Luis estendeu a sua outra mão para ela como se convidasse para uma dança, Delina segurou a mão dele e os dois saíram dançando entre as nuvens, os olhos dela brilhavam enquanto eles passaram perto de um avião uma menina de cabelo comprido estava na janela do avião, ela olhou para o lado fora, deu um sorriso para os dois.
Depois eles voltaram para o acampamento. Giovana estava do lado de Jennifer.

9 de maio de 2011

A Borboleta negra- capitulo 1 -Giovana

Meu nome é Giovana sou uma fada das trevas, vou contar em como eu fui parar em Magictopia, na verdade essa historia é sobre a minha mestra a Borboleta negra. Mas é claro que toda a historia tem um começo e esse é o meu.
Não me lembro em que cidade eu nasci, nem os nomes dos meu pais, mas consigo me lembrar de algumas coisas, nós fadas das trevas somos consideradas as fada mais prematuras, desenvolvemos os nossos poderes muito antes da maioria das fadas. E foi assim que a minha vida começou.
Eu lembro que eu tinha um irmão gêmeo, o favorito da família, eu nunca fui o motivo de orgulho, não me dava bem com as outras crianças, e meu irmão era mais inteligente que eu, e fazia de tudo para deixar isso claro.
Quando eu tinha oito anos eu estava em cima de uma árvore quando as minhas mãos começaram a ficar quentes e formou uma bola escura, parecia uma perola negra, Eu aproximei de uma folha da árvore e começou a pegar fogo. Finalmente tinha uma coisa que eu sabia fazer e ele não. Fui correndo mostrar para a minha família, mas nada foi como eu esperava.
-G-GIOVANA!!!!! O QUE É ISSO NA SUA MÃO!!!???
-Eu não sei direito, mas é bem legal. Consigo queimar coisas, mas ela não me queima.- eu disse.
-O que aconteceu? A Giovana achou um bicho estranho de novo? Ai Giovana, agora você tem um amigo igual a você.
Tive vontade de atirar aquela bola nele, mas a minha mãe começou a gritar.
-Ela não é sua irmã, é um monstro.
Comecei a ficar com medo, e se os meus pais me vendessem para um laboratório e os cientistas fizessem testes em mim, meu desespero começou a aumentar e o teto da casa caiu sobre as nossas cabeças. Toda a minha família estava lá, eu devo ter desmaiado durante algumas horas, quando acordei já era noite. Sem ter tempo para pensar eu sai correndo de lá. E aquilo era só o começo...
Bem acho que já deu para entender que eu não fui criada como as outras fadas, cercada de amor e amigos, eu tinha uma vantagem, eu sabia ficar invisível, não me olhe com essa cara, queria que eu morresse de fome? Tive que fugir de uns malucos, acho que eles se chamavam de caçadores, e quase fui presa, bem, poder ficar invisível é uma habilidade muito útil.
Quando estava com 10 anos eu resolvi aprender a voar, subi em cima de uma árvore e comecei a bater as asas, mas acabei perdendo o equilíbrio e cai num acampamento, e não era um acampamento qualquer, era o acampamento das fadas da noite. Um grupo de fadas das trevas que tiveram que fugir de casa. E essa é historia da Borboleta negra.
A noite na cidade pode ser muito perigosa, nunca se sabe se há assassinos, ladrões, ou que outros perigos se escondem nas sombras. E a mais perigosa era a Borboleta negra, toda a lua cheia havia relatos de assassinatos cometidos por uma mulher que usava uma mascara de borboleta. A imprensa a apelidou de Borboleta negra, a policia estava procurando ela há muito tempo, ela matava pessoas muito influentes na cidade, mas a policia não era um problema para ela, se você já conheceu um caçador sabe que eles são pessoas muito influentes, assim se matarem uma fada ou outra coisa podem fazer as provas desaparecerem.
                E eles eram as vitimas da Borboleta, ela saia a noite e procurava caçadores que estivessem perseguindo inocentes. Naquela noite ela estava voltando para o acampamento e viu que tinha uma menina com o braço enfaixado.
                -Quem é ela?
                -Ela caiu aqui... E quebrou o braço, ela não fala com ninguém.
                A Borboleta negra se aproximou da menina de cabelos curtos e roxos, ela usava uma camiseta preta e um short jeans. Tinha alguns arranhões e cortes por causa da queda. A borboleta jogou seu longo cabelo para trás se sentou ao lado dela.
                -Qual o seu nome?
                A menina ficou em silencio, ela continuava com a cabeça baixa
                -Sou a Borboleta negra, uma fada das trevas, e você também é não é mesmo? Dá para perceber pelas asas.
                A menina levantou a cabeça, ela tinha olhos vermelhos, mas ainda tinha um rosto inocente de criança.
                -Meu nome é Giovana, vocês todas são fadas, não é?
                -Sim, somos como você, fugimos de casa por algum motivo, todas temos um segredo, tudo bem se não quiser contar por que fugiu.
                -Eu matei a minha família, mas foi sem querer, eu fiquei com medo e...
                -Tudo bem, as fadas das trevas possuem uma maldição, elas ganham seus poderes mais cedo, e algumas não conseguem lidar com eles, por isso somos diferentes das outras fadas. Mas como você conseguiu comida?
                -Eu sei ficar invisível, foi o único jeito que eu encontrei para conseguir comida, eu tinha dinheiro, mas fui roubada.
                -Você deve ter passado por muita coisa, mas aqui você não pode roubar, vou te ensinar como uma fada consegue comida, e outras coisas – Ela disse materializando um batom roxo.
                “Eu me tornei aprendiz da Borboleta negra, ela me ensinou como voar, me defender de caçadores, e alguns poderes das fadas das trevas, ela era como uma mãe, uma mãe que tinha orgulho de mim. Fadas que fogem de casa não precisam de um nome secreto, afinal, não vamos na escola, nem temos uma vida normal, tudo que aprendemos é com as outras fadas, mas nós ganhamos alguns apelidos, ela era chamada de borboleta negra por que usava uma mascara de borboleta para esconder seu rosto e matar caçadores que perseguiam inocentes, eu ganhei o apelido de harpia, não sei muito sobre historia, mas harpia significa avassaladora, e era assim que me chamavam quando eu saia com a Borboleta.

2 de maio de 2011

Kaila a fada do fogo

                Lovely estava deitada no seu quarto olhando para o teto, Já estava com 9 anos, iria fazer 10 no mês que vem, Ela e Ice já tinham reconstruído todo o castelo, e algumas partes, como a praia,as montanhas,  e a floresta, mas ainda faltava coisas, e agora tinham que impedir que Kamila a irmãzinha de Ice as visse.
                -Não agüento mais a minha irmã- Disse Ice entrando no quarto.
                -Mas ela é tão fofa
                -Ela é muito chata. Eu vou para Magictopia, lá eu não preciso agüentar isso.
                -Você só diz isso porque são irmãs, você pode não saber, mas eu te achava muito chata quando você chegou, vivia estragando as minhas canetinhas.
Kamila estava lá na cozinha comendo um sanduiche, ela nem desconfiava que teria uma grande surpresa naquele dia.
-Hum... Acho que vou brincar com a Tomomi e a Tatiana.
Ela passou pela sala, pelos compuradores, pelos quarto e voltou para a cozinha.
-Tia Miki! Você viu a Tomomi e a Tatiana?
-Não eu não vi, mas elas devem estar na floresta brincando.
-Obrigada.
Kamila desceu os degraus da porta, passou pelo varal e foi para a floresta, ela passou pela ponte de pedra foi para a parte isolada da floresta onde só havia as folhas que caiam das árvores e os cachorros que estavam presos.
O vento começou a fazer círculos em volta dela, as folhas começaram a voar e quando ela abriu os olhos estava numa montanha. Ela olhou para os lados e viu dragões voando, um deles pousou bem perto dela. Kamila olhou para o enorme dragão de olhos castanhos. Ele fechou os olhos e virou um gato com calda de fogo com grandes olhos pretos. Ele pulou no colo dela.
-Que fofinho- Ela disse abraçando o gato.
Enquanto isso Ice e Lovely caminhavam pela floresta das ninfas, era um lugar enorme tinha todos os tipos de plantas e ao mesmo tempo não era abafada, as duas estavam passando pelo centro onde havia uma árvore enorme, ela nunca tinha dado fruto em dois anos, mas agora tinha um fruto oval lá no alto quase despencando.
-O que você acha que é aquela fruta?
-Sei lá
A fruta caiu bem em cima de Lovely, era branco com manchas cor de rosa. Lovely passou a mão na cabeça e olhou para a fruta.
-É um ovo.... Não é uma fruta
-Que bizarro, uma árvore que dá ovos, vai ver que ela sabe que logo logo vai ser o seu aniversário.
O ovo começou a tremer e rachar. De dentro dele saiu uma pequena raposa, ela abriu os olhos, mostrando olhos castanhos e brilhantes, se espreguiçou e abriu asas de fada, ela olhou para Lovely e lambeu o seu rosto.
-Uma raposa fada, que amor, Vou te chamar de Melody- Disse Lovely abraçando a raposinha.
 Lá nas montanhas o gato do vulcão trouxe uma pedra para Kamila ela era um amuleto e assim que Kamila tocou na pedra ela virou uma borboleta de cristal vermelho.
-Que bonito.
Ele virou um dragão de novo e Kamila subiu nas suas costas. Uma voz vindo do dragão começou a falar.
-Você é a terceira fada. Kaila, a fada do fogo.
-Kaila?
-Kailane Ember, a fada protetora dos dragões, eu sou um gato do vulcão, serei seu aliado. Meu nome é chay.
-Chay, como você pode falar?
-É um feitiço,eu recebi a missão de cuidar de você, mas o feitiço esta no fim, daqui a um tempo não vou poder falar com você.
-Você disse que eu era a terceira. Quem são as outras duas?
-Sua Irmã e sua prima, mas aqui elas se chamam Ice e Lovely.
-Para que mudar de nome?
-Pois no seu mundo há caçadores, eles nos caçaram até a extinção, nós não existimos mais no seu mundo. Eles não podem descobrir seu nomes verdadeiros, por isso os nomes falsos.
                Lovely e Ice estavam preocupadas, quando derrotaram os monstros elas achavam que eles desapareceram, mas eles só foram mandados para outro lugar, lá nenhuma planta crescia, os corpos estavam criando vida feito zumbis.
                Lovely lançou uma esfera, mas o zumbi se regenerou.
                -Ice não esta dando certo, eles continuam vindo.
                -Não tem um jeito de derrotar zumbis?
                -Queimando tudo, mas é meio complicado agora.
                Quando os zumbis estavam quase encostando nelas um sopro de fogo apareceu, era Cháy e Kaila, ela desceu do dragão, enquanto Ice e Lovely ficavam de boca aberta. Apesar de Cháy poder cuidar dos dragões, já estava anoitecendo, sua missão estaria cumprida e ele viraria só um gato do vulcão.
                -Kamila?
                -Não, meu nome é Kailane Ember, ou Kaila, Tati o que são essas coisas?- ela disse assustada.
                -É Lovely, e você é uma fada do fogo? Estamos salvas, Kaila, quero que você lance fogo nos zumbis.
                -Z-zumbis?
                -Vai logo!!!!- gritou Ice
                Kaila lançou uma bola de fogo num zumbi, e ele queimou até desaparecer, mas iria demorar muito queimar todos, até que Lovely teve uma idéia.
                -Kaila, de um salto usando as suas asas para pegar impulso e de um soco de fogo no chão, e Ice quando ela fizer isso levante vôo.
                Kaila deu um pulo de mais ou menos 10 metros e atingiu o chão criando uma onda de fogo que queimou todos os monstros zumbis. Ela pegou Cháy no colo enquanto Lovely, Ice e Melody pousavam
                -Kaila, isso foi incrível... - Disse Lovely
                -Espera um pouco, você não sabe voar?- Ice perguntou.
                -Não...
                O chão começou a tremer e varias lapides apareceram, junto com uma casa velha de madeira que ficaria conhecida como a casa mal assombrada, lar dos fantasmas e criaturas que fogem da luz do sol.