29 de abril de 2019

O Vendedor De Brinquedos- Capítulo 9

- VOCÊ!!!-Giovana e Felipe se recuaram ao reconhecer o homem

-Oh! Vocês lembram de mim? Então devem se lembrar disso- Ele disse batendo com a bengala no chão. 

Nesse momento tanto Giovana Quanto Felipe ficaram com os pés presos no chão. Giovana estava espantada.

-Você não disse que ele podia lançar feitiços sem falar nada!

- Peço desculpas pelo transtorno,  mas terei de levar a boneca para ser consertada em minha loja. A senhorita gostaria de me acompanhar?- Ele disse oferecendo a mão para a garota

-NÃO VÁ COM ELE- Felipe gritou tentando distrair o feiticeiro enquanto Giovana desfazia o feitiço. 

- Ah! Sim! O amuleto, eu quase esqueci. Poderiam me devolver? - Ele disse andando na direção de Felipe.

Giovana aproveitou que Felipe estava distraindo o vendedor e desfez o feitiço que a prendia- VOU É DEVOLVER ELA NA SUA CARA!- Ela gritou acertando um soco no rosto do homem.

Ele passou a mão no rosto- Que atitude grosseira para uma...- Ele parecia surpreso ao analisar o próprio machucado- ...Fada?

Agora que não havia mais motivos para fingir Giovana abriu as asas e partiu para cima do homem que usava a bengala para se defender dos ataques. 

- No início eu achava que vocês eram um casal de caçadores,  mas parece que eu me enganei. Para uma fada e um caçador estarem trabalhando juntos, algo grande deve ter acontecido,  me diga, por acaso isso tem alguma coisa a ver com aquele rapaz que revelou a nossa existência? É por que parece que todos se esqueceram deste incidente?

- Isso não é da sua conta!- Giovana disse tentando acerta-lo mais uma vez, mas batendo na varinha em forma de bengala  só invés disso, criando um estalo verde.

-Se nesse caso, acho que a nossa conversa termina aqui- Ao dizer isso ele acertou Giovana na testa com a ponta da bengala provocando um flash que iluminou o quarto inteiro.

Quando Felipe abriu os olhos, Giovana estava tateando o chão,  nem o feiticeiro ou a garota estavam mais no quarto.

- Giovana?

-E-Eu não enxergo...- Ela sussurrou.

-Fica calma, segue o som da minha voz e desfaz o feitiço para a gente poder ir para o hospital. 

- Não, é melhor irmos para outro lugar...

27 de abril de 2019

O Vendedor De Brinquedos- Capítulo 8

-Ok, depois de algumas horas de pesquisa, eu pensei: Ele é um feiticeiro adulto, provavelmente sabe como se esconder de feitiços rastreadores, se eu ainda estivesse enfeitiçado poderíamos usar o feitiço que ele usou em mim para encontrar a sua assinatura magica, mas podemos concluir que a varinha dele era a bengala, pela estrela na fachada da loja ele deve ser um feiticeiro de quatro pontas.- Felipe desenhou uma estrela de quatro pontas no papel 

 -O que isso muda? 

 -Para falar a verdade, não muita coisa...- Ele admitiu 

-Por que eu ainda pergunto?- Ela disse usando a mão para apoiar o queixo 

 - Para um feitiço de rastreamento completo teríamos que ter o nome dele, um fio de cabelo, ou algo que foi enfeitiçado por ele... 

 -MEU DEUS!!! NÓS SOMOS UMAS ANTAS!!!! A BONECA!!!Podemos usar a boneca para rastrea-lo!! 

 - Mas você disse que deixou a boneca na casa depois que o homem morreu. 

 -E a boneca parece desaparecer quando ninguém está olhando... A não ser...Prepare o feitiço, eu já volto!- Ela disse desaparecendo no ar, Felipe ia dizer alguma coisa mas quando a janela se abriu ele percebeu que Giovana já havia saído. 

 Algumas horas depois Felipe já havia preparado o feitiço e aguardava o retorno de Giovana. A janela abriu novamente e Giovana apareceu com a boneca...E a menina!!! Felipe olhou para a criança adormecida e surtou 

-O que você está fazendo com essa criança!?? 

-A boneca desaparece e aparece perto da criança, então eu trouxe a menina junto assim a boneca não vai a lugar nenhum. Só tive que esperar um pouco até que ela ficasse sozinha.-Ela disse tirando a boneca dos braço da menina

-Você sequestrou uma criança!?

-Ela é órfã,  não é sequestro se ela não tiver pais certo?

-CLARO QUE É!!!!

- Vamos fazer logo esse feitiço antes que a garota acorde, o meu feitiço do sono não vai durar muito tempo.

-Ok.. Coloque a boneca no centro do círculo e receite essas palavras- Ele disse entregando um papel para ela.

-Abandonado por seu mestre... Entregue... aquele que te traiu, ajude-me... a encontrar aquele que te criou. É isso?

-É, mas diga isso de frente para a boneca.

Giovana andou até o círculo e colocou a boneca no centro -Abandonado por seu mestre,  entregue aquele que te traiu, ajude-me a encontrar aquele que te criou!!

A boneca começou a brilhar e uma silhueta azul se formou na frente deles.

- Felipe, era isso que tinha que acontecer?

-Não, ela só iria indicar a direção,  isso não faz parte do feitiço 

- Aqueles que me criaram não fazem mais parte desse mundo.- A figura de forma humanóide disse- meus criadores não são quem buscam- e então desapareceu.

Felipe e Giovana trocaram olhares- Isso significa que não foi ele que criou essa boneca?

-Minha boneca!!!- A menina levantou da cama e correu na direção do círculo, sendo segurada por Giovana 

- Espera aí menina, é perigoso!!

-Me Devolve!!- ela gritou se soltando de Giovana e pegando a boneca. Giovana porém conseguiu pegar um dos braços da boneca.

As duas ficaram brigando pela boneca, cada uma puxando de um lado, quer dizer, Giovana não estava fazendo realmente muita força para segurar a boneca

- Ela é minha!!! Solta!!

-Solta você!!

- Vocês duas vão acabar rasgan-

Tarde demais, o tecido se rasgou em dois pedaços que ficaram nas mãos das duas garotas em choque. Quando a menina começou a chorar Giovana entrou em pânico- Eu disse para você largar!- Mas nada adiantava, a menina continuava a chorar- Para de chorar!! Era só uma boneca!

- NÃO ERA!!!

- Felipe, me aju- o que você está fazendo?

Felipe estava ajoelhado procurando alguma coisa no chão- Eu vi um coisa caindo da boneca...Achei!- Ele segurava uma pequena pedra entalhada na forma de pessoa.

- O que é isso?

- Parece um amuleto ou sei lá...

- Estou interrompendo algo?- Os três olharam para a porta onde o vendedor de brinquedos estava parado observando.

24 de abril de 2019

O Vendedor De Brinquedos- Capítulo 7

Há alguns meses na região norte de Magictopia algumas bruxas encontraram ruinas de uma cidade destruída, no subsolo havia uma enorme biblioteca que se estendia por toda a extensão das ruinas, muitos livros estavam danificados, e quase nenhum estava legível, não que isso fosse um problema já que uma certa bruxa havia criado um feitiço capaz de restaurar livros e outros objetos danificados pelo tempo. 

Em pouco tempo tanto a biblioteca quanto os livros começaram a serem restaurados, passando antes por uma revisão por parte das sete bruxas anciãs , para garantir que nenhum feitiço muito perigoso ficasse a disposição de qualquer um.

 Enquanto estavam reconstruindo as ruinas, eles perceberam que as torres chegavam a atingir quilômetros de altura, não chegava a ser realmente uma surpresa já que cidades construídas por bruxas costumavam ser mais altas que o maior dos arranha-céus. Ao que tudo indicava aquelas ruínas costumavam ser uma grandiosa cidade onde bruxas e magos viviam. 

 -Se algo não faz sentido é porque há magia envolvida...- Giovana murmurou para si mesma enquanto descia a escadaria em espiral que levava até a biblioteca subterrânea, cada torre na cidade possuía uma entrada para a biblioteca, o que poderia ser bem confuso se você não se lembrasse de onde veio

- Esse lugar é absurdamente enorme...-Se vista de cima as estantes pareciam relativamente baixas, mas conforme se descia as escadas, elas se tornavam cada vez mais sufocantes- Essa porcaria não acaba??!!- Giovana exclamou enquanto ainda descia as escadas 

 Finalmente quando chegou no chão ela se dirigiu até um rapaz sentado lendo um livro

-Posso ajuda-la?- Ele perguntou fechando o livro e olhando para a fada com uma expressão de tédio. 

-Preciso de um livro sobre feitiços rastreadores, e algo sobre bonecas que matam pessoas sem assumir a forma humana. 

 O rapaz pegou a varinha que estava presa em um suporte para caneta tinteiro e a balançou no ar criando uma corda verde brilhante que seguiu entre as estantes de livros e voltou com quatro livros de capa dura. -Temos esses: “Esconde-esconde com o inimigo”, “Feitiços de rastreamento”, “Ocultando-se de feitiços rastreadores” e “Diário de uma caçadora de feiticeiros” 

-Vou levar todos, e quanto as bonecas? 

 -Parece que os livros de objetos enfeitiçados e amaldiçoados ainda estão bem danificados, mesmo com a ajuda da coordenadora Giselle, pode levar alguns dias ou meses até que essa sessão esteja aberta, mas posso procurar entre os que ficarem prontos e lhe avisar. 

 -Certo...- Ela disse folheando o livro de capa vermelha com uma etiqueta escrito “Diário de uma caçadora de feiticeiros”- Se encontrar alguma coisa, pode avisar Giselle"

-Gi-Giselle? A coordenadora?

-É.

 Voltando para o quarto onde estavam hospedados, Felipe parecia muito melhor agora

- Encontrou alguma coisa?- Ele perguntou desviando a atenção do computador 
 Sem dizer nada, Giovana jogou os livros em cima da mesa e entregou um deles para Felipe.

- Comece a ler, quanto mais rápido começarmos essa maldita pesquisa, mas rápido vamos terminar, e mais cedo vou poder socar a cara daquele feiticeiro arrogante.

-Você não vai ajudar?

- Eu não sei ler direito, vou demorar muito tempo para ler esses livros.

Felipe suspirou e começou a folhear os livros. 

 -Poderíamos usar um desses feitiços para localizar a Lovely... 

 -Feitiços rastreadores raramente funcionam com fadas, mesmo os mais poderosos, asas de fadas podem ser usadas para confundir qualquer feitiço rastreador, então provavelmente não vamos conseguir encontra-la. 

 - “Diario de uma caçadora de feiticeiros”, caçadora como eu?- Ele perguntou  folheando um dos livros 

 -E eu lá vou saber?- Ela disse se jogando no sofá 

 -Interessante, aparentemente depois de uma guerra no qual os feiticeiros foram derrotados pelos magos e bruxas, muitos feiticeiros se esconderam no mundo dos humanos com medo do que as bruxas e magos fariam com eles e suas famílias. 

 -E..? 

-Então recompensas foram oferecidas em troca desses feiticeiros fugitivos, Bruxas interessadas na recompensa saiam de suas cidades protegidas por magia e se aventuravam no mundo dos humanos caçando esses fugitivos. 

 -E..? 

 -Isso não é fascinante? 

 -Não. Eu vou ficar fascinada quando você encontrar um feitiço que rastreie o Vendedor de briquedos amaldiçoados.

-Tudo bem já estou pesquisando- Ele disse voltando a ler o livro

22 de abril de 2019

O Vendedor De Brinquedos-Capítulo 6

-FELIPE, VOCÊ TINHA RAZÃO!! A BONECA REALMENTE DEVE SER ENFEITIÇADA PARA GANHAR VIDA E...Felipe?...-Giovana havia voltado para o quarto, mas não havia ninguem- Ele já não deveria ter voltado?-Ela pensou na possibilidade do vendedor ser um feiticeiro- Essa não...-Ela voou de volta até a loja apenas para encontrar Leandro parado onde deveria ficar a entrada da rua tendo uma espécie de insolação. 
   
-O que tá fazendo?!

 -Água... 

 -Mas que desgraça aconteceu aqui!!??? 

- Feiticeiro... Quente...

Após desfazer o feitiço que fez Felipe ficar paralisado Giovana foi comprar uma água enquanto o rapaz descansava na sombra

- Trouxe água- Ela disse derramando água na cara do garoto. 

 -GIOVANA!!!! ENLOUQUECEU?- Felipe se levantou tossindo a água enquanto limpava o rosto com a camisa- Era para eu beber e não me banhar na garrafa. 

 -Beber parece um modo lento de se hidratar, jogar a água na sua cara parecia mais eficaz- Ela disse entregando a garrafa para o ruivo. 

Felipe bebeu um gole da água e disse- Então... O que aconteceu?

 -O cara espancava a menina e agora ele tá morto.

 Felipe se engasgou novamente com a água, começando a tossir

-O QUE VOCÊ FEZ???!! 

 -Eu mal encostei no cara, talvez eu tenha dado um galo ou um leve hematoma quando fiz ele tropeçar - Ela disse cruzando os braços. 

 -O que você fez?- Felipe continuou perguntando enquanto Giovana revirava os olhos

 -Acontece que quando eu fui pegar a boneca, eu ouvi gritos do outro quarto e quanto eu entrei lá o cara já estava morto, e a menina estava assustada segurando a boneca. 

 -Ou seja a boneca de alguma forma foi para o outro quarto sozinha e matou o homem? E você não viu nada? Uma boneca enfeitiçada pode matar uma pessoa? 

 -Na teoria sim, mas elas precisam estar na forma humana, elas não se movem se estiverem na forma de uma boneca... E sem falar que elas não foram feitas para lutar ainda mais uma boneca de pano...

 -Então como ela consegue passar de uma sala para outra tão rápido e ainda matar um homem adulto? 

 -Não tenho certeza, talvez um fantasma possuindo a boneca 

 -Tipo uma Annabelle? 

 -Quem é Annabelle? 

 -Esqueçe... Tem mais uma coisa, aquele vendedor, eu acho que ele é um feiticeiro

 -Como pode ter tanta certeza? Ele poderia ser um bruxo ou mago pelo que sabemos 

 -Bruxos e magos, principalmente aqueles que vivem em sociedades magicas, não gostam de interagir diretamente com humanos, duvido que dariam um artefato magico tão facilmente a uma criança humana, já feiticeiros são mais ousados. 

 -Eu ouvi falar sobre isso, feiticeiros tinham o costume de vender artigos mágicos para humanos depois de alguma guerra estupida, alguns enriqueceram fazendo isso, mas isso foi há muito tempo, não deve existir feiticeiros que ainda façam isso, sem falar que isso não comprova que ele realmente é um feiticeiro. 

 -O nome da loja era “No Caminho das Estrelas” 

-E o símbolo dos feiticeiros é uma estrela...- Giovana concluiu- Como vamos encontra-lo já que você o deixou escapar?

 -Conhece algum feitiço rastreador? 

 -Não... Para falar a verdade eu não conheço muitos feitiços que não envolvam desfigurar a cara de alguém, eu não sou uma bruxa sabe?

 Felipe suspirou e pensou um pouco- Sabe onde podemos encontrar um? 

 -Para falar a verdade eu sei sim, mas acho melhor eu ir sozinha...

20 de abril de 2019

O Vendedor De Brinquedos-Capítulo 5

Felipe não tinha certeza se iria encontrar a loja novamente, era estranho eles terem passado da numeração sem nem terem notado a rua entre as duas casas, era estranho uma loja de brinquedos antigos no final de uma rua sem saída. Quando Felipe chegou nas casas 575 e 567 não havia nenhuma rua entre as duas casas

- Mas como...? Era para ter uma rua bem aqui, entre essas duas casas.

-Procurando alguma coisa meu jovem?- Uma voz perguntou Ao olhar para trás o Felipe viu um homem alto de olhos turquesa, e cabelos ruivos claros, ele carregava uma grande maleta quadrada em uma das mãos e uma bengala na outra, de imediato o reconheceu, era o vendedor da loja.

 -Você! Quem é você? -Sou apenas um humilde trabalhador voltando do serviço 

 -São 11:30 da manhã, eu acabei de sair da sua loja. 

 -Que loja? 

 Felipe hesitou por um momento antes de perguntar

- ... Você é um feitiçeiro? 

 O homem fitou o rapaz com uma expressão sombria

- Mas que pergunta curiosa...- Então ele abriu um sorriso e disse -Sim, eu sou!- E saiu andando normalmente 
-Hey! Espere ai!!! - Felipe gritou seguindo o vendedor 

 -Não, Você espere ai- Seus olhos pareciam brilhar enquanto ele olhava pelo canto dos olhos e batia suavemente a ponta da bengala no chão, quando Felipe se deu conta, suas pernas não se moviam mais, parecia que estavam colados no chão. 

 -Volte aqui!!! Você não pode me deixar plantado aqui!! -Mas o homem já havia desaparecido.

 Giovana não teve dificuldades para seguir a garota até a sua casa estando invisível, a casa era bem simples, um andar, a tinta da parede estava descascando e o portão fazia um rangido irritante ao abrir, Giovana passou por cima do portão e entrou na casa antes que a menina fechasse a porta. 

 -Onde você estava sua pirralha?!!!- Um homem cheirando a álcool gritou assim que a menina entrou na casa

 -Eu.. Eu... Me desculpe..- Ela tentou explicar mas o homem arrancou a boneca das mãos da menina

 -O que diabos é isso?!- Ele disse olhando para a boneca que havia acabado de arrancar da menina. 

 - Eu ganhei...-O homem olhou para a menina e começou a rir

- Ganhou? Uma coisa velha como essa só pode ter sido tirada do lixo, e é pra lá que vai voltar. E quanto a você, vá para o seu quarto e fique quietinha, eu vou receber algumas visitas e não quero ouvir um único Pio. 

 -Mas... –Ela disse ainda tentando alcançar a boneca 

 -VÁ AGORA!!!- Ele gritou dando um tapa no rosto da criança fazendo com que ela caísse no chão gemendo de dor

- É melhor não estar mais na sala quando eu voltar- Ele disse saindo do cômodo e deixando a menina chorando no chão

"Que pedaço de lixo humano" Giovana pensou enquanto seguia o homem, ela aproveitou que ele estava andando devagar e passou na frente dele colocando o pé para que ele tropeçasse, o homem caiu de cara no chão fazendo com que ele soltasse a boneca que voou para algum canto do quarto. 

- Um pedaço de lixo como você não deveria cuidar de uma criança - ela disse esquecendo que deveria ficar em silêncio, pois estava invisível. O homem se levantou achando que havia sido a garota que havia dito aquilo e foi em direção ao outro quarto enquanto Giovana procurava a boneca.

-Não sei como fez isso,- o homem disse batendo a porta do quarto atrás de si -Mas nunca mais vai tentar algo assim- Ele gritou puxando a menina pelos cabelos- Você está me ouvindo??!! NUNCA MAIS!!! 

- Alguem me ajude...Por favor!

- Você nunca mais irá  machucá-la

Giovana ainda estava procurando a boneca quando ouviu os gritos vindos do quarto ao lado, ela correu até o outro cômodo, mas a porta estava trancada. 

-Tudo bem... Eu só preciso lembrar de um feitiço que destranque.. AH! Quer saber?! pro inferno com essa joça!!!- Ela disse chutando a porta com força o suficiente para estourar a fechadura. Giovana procurou a menina no quarto escuro e a encontrou no canto do quarto segurando a boneca, a garota não parecia machucada, mas o quarto estava cheio de sangue, quando Giovana seguiu o rastro de sangue ela viu o corpo sem vida do homem. “Droga... Tenho que sair daqui...” Ela disse abrindo as asas e fugindo da casa

17 de abril de 2019

O Vendedor De Brinquedos- Capítulo 4

Giovana estava furiosa, eles haviam saído de casa às 10 da manhã, e Felipe a fez atravessar toda a extensão da rua em busca da loja imaginaria, o calor chegaria facilmente aos 40°C, A rua não tinha muitas arvores e Felipe parava em todas as lojas para pedir informação o que deixava Giovana ainda mais irritada, quando chegaram no fim da rua ela terminava com uma outra a cortando.

 -Tá feliz Felipe? TÁ FELIZ? ESSE É O FIM DA RUA, E ADIVINHA?! NÃO É UMA RUA SEM SAÍDA!! TEM OUTRA PASSANDO BEM AQUI!!!!

 -Eu podia jurar que teria uma construção no final da rua 

 -CONSTRUÇÃO??!! O endereço dizia numero 571 e nós já estamos no 750 seu animal- Ela bufou dando meia volta e deixando Felipe para trás, enquanto os dois voltavam Felipe ficou contando as ruas que cortavam o caminho de volta, um habito estranho que o rapaz tinha, ele gostava de contar coisas aleatórias pela rua, quantas arvores ele via enquanto contornava o quarteirão, quantas casas de dois andares tinha em uma rua, Giovana achava irritante, mas desde que ele contasse em voz baixa e não ficasse dividindo suas “experiências”, ela poderia ignorar. 

Os dois já estavam passando pelo numero 583 quando ele parou e ficou olhando para uma rua que cortava o caminho. 

 -Essa não estava aqui. 

 -O que você está dizendo seu idiota? 

-Essa rua... Nós estamos no 575 e logo depois vinha o 567 e não tinha uma rua cortando essa parte. 

-Você contou o numero das casas? 

 -Só as que estavam do lado impar, e que tinham uma rua cortando. 

 -Seu cérebro de pudim deve ter derretido com o sol, Agora se não se importa eu quero voltar para o nosso quarto e encontrar coisas que realmente nos ajudem a resolver algum mistério.

- Quando ela se deu conta Felipe havia entrado na rua sem dar muita atenção às suas ofensas.

A rua era feita de paralelepípedos antigos, mas dos dois lados só havia as laterais das casa que ficavam ao lado da entrada da rua e um longo muro amarelado e com várias partes desgastadas e se despedaçando, as calçadas eram muito estreitas e praticamente cobertas pelo mato e ervas daninhas, as pedras que cobriam o centro da rua pareciam soltas de forma que um desavisado poderia facilmente tropeçar. 

-Onde estamos?- Giovana perguntou finalmente deixando sua fúria de lado. 

 -Acho que no 571...- Felipe parou fazendo Giovana esbarrar nele, diante dos dois havia uma construção velha, parecia uma casa velha com uma pequena escadaria que dava acesso à entrada principal, uma placa pendurada na frente da loja com uma estrela entalhada na madeira e os seguintes dizeres: “No caminho das estrelas- Brinquedos, doces e jogos... Numero 571” 

 -Não vamos entrar?- Giovana passou na frente de Felipe pisando no primeiro degrau 

 -Não acho que seja uma boa ideia Giovana... 

 -Aff, você é um inútil. Anda logo!!!- Ela disse no topo da escadaria de madeira já abrindo a porta da loja. 

Um sino pendurado no topo da entrada soou pelo cômodo avisando sobre os dois visitantes. Qualquer um que entrasse diria que a loja estava fechada ou abandonada. 

 -Só estou dizendo esse lugar é muito estranho, não era para essa loja estar aqui. 

 -É só uma loja velha e abandonada... Ei, você acha que tem dinheiro na caixa registradora?- Giovana disse com um sorriso malicioso 

 -Depois ainda dizem que fadas são seres benevolentes..Giovana...- Felipe parou de falar e ficou parado olhando para uma estante, Giovana não parecia estar dando muita atenção para o rapaz.

 -Sim, sim honestas e puras, mas o aluguel não se paga sozinho e nenhum de nós tem emprego, eu nem ao menos tenho identidade... Felipe? O que está fazendo? 

 -Aquela boneca!! Ela se mexeu!!!- Ele disse apontando para uma boneca de pano exibida na estante, ela tinha olhos de botões, um sorriso bordado no rosto e cabelos feitos de lã, chegava a ser perturbador, mas isso não impediu Giovana de abrir a porta de vidro da prateleira e retirar a boneca de dentro 

-Por acaso o sol fritou o que sobrou do seu cérebro? Isso é uma boneca comum. 

 -Posso ajuda-los?- Um homem apareceu de traz da porta no balcão, ele era alto, seus cabelos eram bagunçados e ruivos puxando um pouco para algo entre laranja e marrom, tinha olhos azuis turquesa de expressão calma e levemente arrogante, como se estivesse um passo à frente de todos, como se nada no mundo pudesse irrita-lo, olhos escondidos atrás de pequenos óculos de lentes completamente redondas, já a sua barba parecia demonstrar completamente o oposto de toda essa serenidade, ela não era comprida, mas passava a impressão de alguém que passou noites em claro ocupado ou distraído demais para dormir, Sua pele parecia um pouco pálida também não chegava a ser assustador, mas Felipe se sentia como se estivesse na frente de algo anormal, uma contradição, como uma vela acesa dentro de um aquário. 

– Procuram alguma coisa?- O homem disse colocando uma pequena caixa em cima do balcão da loja, ele usava uma camisa polo verde musgo, uma calça jeans um tanto desbotada e um par de sapatos marrons. 

 -Na verdade nós estávamos só de passagem e demos de cara com essa loja, a placa dizia que estava aberta. 

 -Sim, sim, a minha loja está sempre aberta para jovens cheios de vida como vocês, mas geralmente as pessoas que visitam a minha loja estão á procura de algo. 

-Nós queremos essa boneca- Giovana disse colocando a boneca em cima do balcão- Quanto é? 

 -Hum... Essa boneca...- Ele franziu a testa por um momento então disse -500. 

 -Como?!! Mas isso é um absurdo

 -Eu sinto muito senhorita, mas como pode ver essa boneca estava dentro da estante de vidro, é uma antiguidade muito valiosa e gostaria que a colocasse de volta. 

 Giovana fechou a cara e colocou a boneca de volta na prateleira

- Acho que não tem nada aqui que estamos precisando, vamos embora Felipe.

 Ela disse puxando o rapaz para fora da loja. Enquanto estavam voltando pela misteriosa rua deserta, Felipe viu uma menina indo em direção à loja. 

 -Dá para acreditar? 500 reais por uma boneca de trapos velhos?- Giovana disse de repente enquanto estavam esperando o ônibus 

 -Antiguidades valem bastante Giovana... E aquela boneca estava muito bem conservada- Felipe disse desinteressado. 

 -Eu também estou muito feliz de ter te conhecido.- Disse uma criança sentada no ponto, Felipe olharam para ela e viram que ela carregava uma boneca nos braços, a mesma boneca que custava 500 reais. 

 -Hey menina, onde você conseguiu essa boneca? 

 A garota olhou assustada para Giovana e respondeu timidamente: 

-Na loja de brinquedos “No caminho das estrelas” 

 -Quanto custou?!!- Giovana recusou-se acreditar que uma menininha pudesse ter tanto dinheiro assim. 

 -Não custou nada, o dono da loja me deu de presente. 

 -Como?! 

 -Disse que gostava muito de mim e que ficaria feliz se eu a levasse para casa 

 -O vendedor? 

 -Não, a boneca. O moço da loja disse que se a boneca queria ir comigo, ele não poderia cobrar nada.- A menina disse inocentemente, enquanto dava sinal e subia no ônibus 

 -A boneca falou com você?!- Giovana a seguiu puxando Felipe junto. 

 -Moço... Essas pessoas estão me seguindo há algum tempo Antes que Giovana pudesse fazer qualquer coisa, o cobrador a barrou

- Desculpe moça, mas você e o seu namorado terão que descer do ônibus. 

 -Ele não é o meu namorado!!!- Ela disse irritada, quase sendo arrastada por Felipe para fora do ônibus 

 -Pare de causar problemas Giovana!!! Você está chamando a atenção de todo mundo!!! 

 -VAMOS VOLTAR AGORA NAQUELA LOJA E INTERROGAR AQUELE VENDEDOR DESGRAÇADO!!! 

 -Tive uma ideia melhor, você consegue ficar invisível certo? Siga a menina e veja o que acontece com ela e a boneca, eu vou até a loja procurar o vendedor. 

 -Por que você?- Ela levantou a sobrancelha 

 -Porque eu não sei voar e nem ficar invisivel para seguir uma pessoa ser ser notado, e sem contar que se ele for um bruxo, não seria nada bom se ele descobrisse que você é uma fada. 

-...Acho que você tem razão, sem falar que eu consigo entrar na casa dela sem problemas. 

-Nos encontramos no hotel ás 13:30, ok? 

 -Certo- Ela disse desaparecendo no ar, Felipe pode sentir uma brisa quando Giovana levantou voo e começou a seguir o ônibus.

15 de abril de 2019

O Vendedor de brinquedos- Capitulo 3

O abrigo era um prédio pequeno com alguns quartos, uma brinquedoteca, um escritório, não muito mais do que isso. Felipe havia convencido Giovana a usar uma ilusão para que os dois parecessem um casal de adultos não dois jovens aparentando ter 20 anos. A mulher responsável pelo abrigo foi muito simpática em recebê-los, Felipe inventou uma desculpa dizendo que estavam ali para investigar o caso enquanto Giovana cuidou dos distintivos que deveriam parecer reais 

-É realmente muito trágico todos esses crimes acontecendo, não consigo imaginar quem seria capaz de fazer uma coisa dessas, as pessoas de fora não fazem ideia de como é a vida de algumas crianças, muitas das crianças que são trazidas para cá vieram de lares abusivos- Disse a mulher com o cabelo preso em um coque enquanto guiava Giovana e Felipe pelos corredores 

-Soube que uma das crianças que sobreviveram foi mandada para cá. -Sim, não só elas, mas o irmão também, os dois estavam tão abalados, ela não disse uma palavra desde que encontraram ela, e o irmão parece ter distorcido os acontecimentos..

-Eles tem algum parente?- Leandro perguntou 

-Ainda não encontramos nenhum, ela parece também não querer se enturmar com as outras crianças. Geralmente ela passa o dia brincando sozinha, mas o que mais foi assustador no relatório é que ela possuía vários hematomas pelo corpo. 

 -O assassino a espancou?- Felipe perguntou franzindo a testa 

 -Não acho que seja esse o caso,- a mulher explicou- Pareciam marcas de semanas atrás, algumas já estavam se curando, mas outras pareciam recentes

 -Ela sofria abuso?!- Dessa vez foi Giovana que parecia incomodada com a situação

-Acreditamos que sim, não é raro nós recebermos crianças que viviam em lares abusivos.

-E nenhuma das crianças falou nada sobre o assassino?-Felipe continuou.
- Bem...

- Foi a boneca!!!- Giovana e Felipe trocaram olhares quando um menino que estava ouvindo a conversa gritou- Vocês estão investigando os assassinatos não é? Eu já disse que foi a boneca, ela criou vida de noite e matou os nossos pais porque eles batiam nela

-Lucas!!

-É verdade a minha irmã é uma bruxa ela trouxe aquela boneca pra casa e ela criou vida!!!

Uma das funcionárias levou o menino para outra sala enquanto a mulher se desculpava.

- Eu acho que o incidente deve ter sido tão traumatizante que ele distorceu os eventos.

-Tudo bem, mesmo uma história dessas pode ajudar na investigação...- Felipe disse agradecendo antes de irem embora.

Quando voltaram para o quarto de hotel que estavam hospedados, Giovana se jogou no sofá, exausta enquanto Felipe ligava um notebook. 

-Você acha que uma criança seria capaz de criar uma boneca que matasse toda a família? Aquela menina parecia humana. 

 -A maioria de vocês parece... - Felipe disse sem desviar os olhos do teclado enquanto digitava, mas acho que você tem razão, se fosse apenas um caso, talvez a menina fosse uma bruxa, mas são vários casos. 

-Sem falar que o garoto disse q ela trouxe a boneca de fora de casa.

 Felipe virou a tela do computador para que Giovana pudesse ler

-Bem, eu encontrei um relato nesse site de lendas urbanas e parece que o cara comprou um boneco que ganha vida durante a noite. Nós sabemos que é fácil dar vida á um objeto inanimado, fadas e bruxas usam bonecas iguais a ela para as substituírem quando precisam. Mas esse cara conta que comprou a boneca em uma loja, mas quando voltou para devolver a boneca amaldiçoada, a loja havia desaparecido, parecia que a construção nunca existiu. 

 -Pare de ler essas lendas, isso deve ter sido escrito por um idiota desocupado. 

 -Foi o que eu pensei, mas o autor do relato colocou um endereço, diz que fica no final de uma rua sem saída, rua orfanato 571, Não fica muito longe daqui podemos ir ver se essa loja realmente existe.

13 de abril de 2019

O Vendedor de briquedos- Capitulo 2

Giovana remexeu nos papeis espalhados pela mesa irritada com Felipe. Felipe era inteligente, mas se perdia muito facilmente em seus pensamentos. Não fazia muito tempo desde que eles se tornaram parceiros, e ela ainda estava tentando se acostumar com a personalidade do rapaz, eles eram muito diferentes. Trabalhar juntos talvez não fosse uma boa ideia, mas ela ainda precisava de ajuda para localizar e capturar Lovely.

-Você por acaso já se esqueceu de que a Lovely está desaparecida? Aparentemente a pessoa que estava no lugar dela era só uma boneca.
 -Por que não interrogamos a boneca?- Ele sugeriu como se fosse a coisa mais simples do mundo, isso fez com que Giovana se irritada e mais ainda 

-Porque desde que o Leandro enlouqueceu, e quase expôs todo o nosso mundo aos humanos, os magos e bruxas decidiram controlar melhor o uso da magia para proteger o nosso segredo dos humanos, principalmente para gente como nós que vivemos aqui do lado de fora, longe da sociedade das bruxas e todas as suas leis ridículas, eles não vão nos deixar pegar a boneca para não levantar suspeitas.

- Se os caçadores soubessem que existem cidades inteiras de bruxas escondidas espalhadas pelo mundo, nós não teríamos perdido tempo com vocês aqui de fora.

- Nem perca seu tempo, mesmo que você achasse uma cidade dessas você seria ou executado de modo que todos que você  já conheceu se esquecessem de você,  ou enfeitiçado para que se esquecesse de tudo. Nem mesmo eu cheguei a conhecer uma dessas cidades.

-Bruxas realmente são criaturas sádicas. Talvez possamos localizar os outros impuros e interroga-los, algum deles deve saber onde a Lovely está. 

 -Sim, mas encontrar um impuro é ainda mais difícil do que encontrar a Lovely, existia um livro com todos os nomes dos impuros e como destruí-los, mas ele desapareceu... Não faz sentido... 

 -O que não faz sentido?

-Lovely teve seus poderes retirados, e a memória apagada, ela agora é uma humana por completo, não faz sentido ela desaparece assim e por que agora?

 - Acho que isso nós só iremos descobrir quando a encontrarmos, enquanto isso deveríamos investigar qualquer coisa suspeita que possa envolver o mundo magico. Têm acontecido assassinatos estranhos ultimamente, as vitimas são ouvidas gritando durante a noite, e quando a policia chega, elas já estão mortas, o que torna tudo mais estranho é que o suposto assassino nunca mata as crianças.

- Deixa eu adivinhar, ninguém vê o assassino entrar, nem sair das casa não é?

- Acertou.

-O que as vitimas têm em comum?

 -Acho que nada, nenhum parentesco, ou amizades... Espera... Parece que duas das crianças estudavam no mesmo colégio. 

 -Só isso?

 -É a única coisa que temos. 

 -Onde estão as crianças? 

 -Acredito que em um abrigo, mas não acho que vão nos deixar vê-las tão facilmente... Sem falar que...

 -O que? 

 -Você não parece ser o tipo de pessoa que deixariam entrar em um abrigo infantil.

 -Como assim? 

 -Não consigo imaginar uma pessoa de cabelo roxo, olhos vermelhos, roupas de delinquente juvenil e uma adaga de pedra lascada visitando um abrigo infantil. Você parece ser o tipo de pessoa que rouba doces de crianças ou então usa em sacrifícios em nome de satanás

 -Eu vou ignorar esse insulto se você descobrir para qual abrigo elas foram mandadas e como nós fazemos para visitar esse lugar.

10 de abril de 2019

O vendedor de brinquedos- Capitulo 1

- Acho que você já sabe porque a chamamos.

- Na verdade, não. 

 A bruxa suspirou e disse:
- Lovelina Lotus desapareceu, aquela que acreditávamos ser ela era na verdade a sua boneca.

- Querem que eu a encontre.

-Sabemos que você estava procurando Daniel, talvez ele nos de alguma informação do paradeiro de Lovely.

-O problema será encontrar ele, o cara e capotou, ele pode estar em qualquer lugar do mundo.

- Então sugiro que procure alguém que possua alguma conexão,  um impuro mais descuidado e menos discreto.

-Lo que está sendo tão formal Giselle? NÓS conhecemos fãs anos- a fada se levantou e continuou- Não esquenta, eu vou achar a Lovely e o namorado feiticeiro dela.

- Giovana, isso é sério,  depois de Leandro a atenção do mundo mágico se voltou para nós aqui fora.

- Eu sei, eu sei que saco, preferiria quando as coisas eram mais simples. Relaxa, não vou te fazer passar vergonha na frente dos manda-chuvas.

"Isso foi à alguns meses... E até agora eu não encontrei nada, Lovely não fugiria para outro país, ela não sabe falar nenhum idioma além de português "

-Giovana...

 -Hum?- A garota de cabelos roxos e olhos vermelho disse sem levantar os olhos de um mapa que estava esticado na mesa, ela usava uma regata preta e jeans cinzentos velhos- O que você quer Felipe? 

O rapaz de cabelos ruivos não estava olhando para a fada das trevas quando a chamou, e sim olhando pela janela do quarto. 

-Eu fui na casa dos caçadores há alguns dias... 

Giovana parou de examinar o mapa e esperou Felipe continuar . 
-Estava vazia... Eu fui na casa de alguns caçadores e eles não me reconheceram. 

A mente de Giovana viajou para alguns meses atrás, logo depois que Lovely havia sido capturada, a rainha das sereias já havia morrido, Marina assumiu o trono e os humanos começaram a se esquecer de tudo, inclusive os caçadores. 

Uma bruxa de longos cabelos castanhos estava na frente de uma maca onde um rapaz ruivo dormia quando Giovana chegou
-O que houve?

- Assim como todos os humanos ele vai esquecer de tudo.

- É o que fazemos? Despachamos ele para a família?

-Ele é órfão,  não tem pra onde ir...

-Ah isso torna tudo mais facil, só jogamos ele pra fora agora mesmo e ele não será mais problema nosso.

Giselle olhou para Giovana e disse: 
-Você acha que isso é o certo a fazer?

-Claro, ele é humano, e um caçador, você acha que se fosse uma de nós eles nos poupariam?

Giselle ficou em silêncio,  irritada Giovana se aproximou do rapaz e colocou a mão na testa dele, a mão dela soltou um brilho roxo e depois se apagou.

-O que você fez?- Ela calmamente perguntou

-Pronto, agora ele não vai mais se esquecer de tudo, está feliz?

-Isso não vai resolver o problema, Giovana, ele ainda não tem pra onde ir.

-Grande coisa!!! Eu também não tinha para onde ir! Mas eu estou aqui não estou?!!

- E você não queria que alguém tivesse te ajudado?

Giovana voltou a olhar para o mapa e disse:

- esqueceu que por causa da poção da rainha das sereias, todos os humanos se esqueceram de tudo que envolve magia?

- não foi isso que eu quis dizer, eu quero saber por que só eu me lembro?

- Bem, a poção não tem efeito sobre criaturas mágicas, talvez você seja uma e não saiba- Ela disse com um sorriso de deboche

- Ha, conta outra, então você está dizendo que eu posso ser um monstro a minha vida inteira sem saber?

- Vocês humanos são mesmo muito arrogantes acham que o mundo pertence a vocês que que todo o resto é descartável não é mesmo.

Felipe não queria entrar em uma discussão com Giovana,  então achou melhor mudar de assunto, ele foi até a fada das trevas e se inclinou por cima do ombro dela

-Então... O que está procurando?