18 de fevereiro de 2017

Rox e Ivy- Capítulo 4

Catarina ainda se encontrava com a gente, ela tinha arrumado um namorado, um jovem chamado Cristiano, ele era humano, talvez a família dela não aceitasse, mas ela disse que gostava muito dele. Nos meses seguintes ela não parou de falar no tal rapaz, em como os seus olhos verdes lembravam uma floresta, e como o cabelo loiro levemente encaracolado lhe dava certo charme.

Os anos foram se passando minha irmã se tornou cada vez mais frustrada com o fato de que a nossa mãe me “amava” mais, e que todos os outros bruxos tinham muito medo dela para tentar convida-la para sair, Roxane se isolou completamente quando Catarina nos convidou para o casamento dela com Cristiano.

Como uma verdadeira bruxa das trevas, ela fazia o que quisesse, pegava o que queria, e ninguém se atreveria a desafia-la. Ela apenas tinha “respeito” pelas anciãs, mas todos sabiam que quando ela fosse forte o suficiente, ela assumiria o seu lugar de direito entre bruxas anciãs. Apesar de ser a mais velha, eu nunca poderia derrotar Roxane em um duelo, eu a amava demais para isso...

Eu não aguentava mais aquilo, então tomei uma decisão, eu e Roxane fugiríamos do país, fugiríamos de Leste, a mãe que nunca nos amou, e começaríamos uma nova vida em outro lugar, um lugar onde as pessoas não tivessem medo da minha irmã, um lugar que nós pudéssemos ter uma vida de verdade...

Naquela noite eu tive uma visão, vi Roxane levando Cristiano para algum lugar que eu não conhecia, mas eu sabia o que era, era um motel, na visão eu também me lembrava de ter visto Roxane preparando outra poção do amor, dessa vez com propriedades diferentes, ao invés de enfeitiçar a pessoa para ela pensar que te amava, essa poção fazia a vitima ver a pessoa que ela mais amava.

Eu levantei correndo da cama e fui para a cozinha, Roxane realmente estava fazendo uma poção.

-Roxane, Para... Eu sei o que está fazendo e isso não tem como acabar bem...

-Volte para o quarto Ivone.

-Não, eu sei que você pensa que bruxas podem fazer o que quiserem, mas não é assim que as coisas funcionam, pelo menos não nesse caso.

-Eu disse para você ir embora- Ela continuou mexendo a poção.

-Vamos fugir do pais, vamos para o outro lado do mundo, onde a nossa mãe não irá nos achar, vamos esquecer tudo isso e começar uma vida nova- Eu disse tentando fazer silencio para que a nossa mãe não ouvisse.

-Ele vai me amar... Eu serei amada.- Ela disse segurando a varinha com força, achei que ela ia me atacar, mas ela parecia estar se segurando.

-Ele não vai te amar de verdade Roxane!!! Céus!!! Você nem ao menos o ama de volta?!

-CALE A BOCA!!!- Eu senti a minha língua se grudando no céu da boca- SAIA DAQUI IVONE!!!- Meu corpo foi lançado para o outro lado da cozinha, doeu... mas a dor que eu sentia no peito e na garganta parecia pior...

-Por favor Roxane, pense no meu pedido...- Eu disse mancando até o meu quarto.

No dia seguinte acordei mais tarde do que de costume, Roxane já havia partido, ela não voltou para casa depois disso. Catarina veio falar comigo desabando em lagrimas, o noivo dela havia desaparecido, a família dele estava preocupada, ninguém o tinha visto desde... Desde que a minha irmã também havia desaparecido.

Catarina começou a desconfiar da minha falta de reação, eu não disse nada desde que ela me deu a noticia, não fiquei surpresa e nem preocupada, apenas encarada o chão ou o nada com uma expressão nervosa. Ela resolveu me dar uma poção da verdade, e eu acabei contando tudo, sobre a obsessão de Roxane, nossa mãe e até mesmo o meu plano de fugir.

Catarina não soube como responder, eu não sabia dizer se ela se sentia magoada comigo, ou se ela iria machucar a minha irmã...- Você sabe onde eles estão?- Ela perguntou

Incapaz de resistir ao efeito da poção eu disse- Eu tive uma visão deles indo para um lugar que parecia um motel... mas eu não sei onde fica.


Catarina foi embora sem dizer nada, mesmo assim nós sempre acabávamos nos encontrando uma hora ou outra sem querer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário