12 de agosto de 2015

Como tudo começou- Capitulo 39

                Lovely sentiu como se uma agulha estivesse espetando o seu pescoço, varias e varias vezes, como se um cordão estivesse passando pela sua garganta varias vezes tampando sua voz- O... O que você fez?!
                - Com essa maldição toda a vez que você falar a verdade as pessoas iram acreditar em você, e toda a vez que você mentir, todos iram acreditar em suas mentiras. Você nunca irá conseguir provar a sua inocência
                -Mas o que você tem a ganhar com isso? O que você vai conseguir? Não vale a pena, LEANDRO!!! Quando as tribos invadirem esse castelo elas não vão querer ouvir o que temos a dizer, eles vão nos matar.
                -Que venham, aqueles traidores tiveram a audácia de me desafiar, então nada mais justo do que deixa-los morrer como impuros
                -Se você se considera um verdadeiro líder, você deve protege-los mesmo assim.
                -EU NÃO ME IMPORTO!!! QUERO QUE TODOS ELES MORRAM, MAS NÃO TANTO QUANTO EU QUERO QUE TODOS OS MAGOS DESAPAREÇAM DA FACE DA TERRA!!!
                -POR QUE???!!!
                -Porque eles controlam esse mundo- Ele olhou para Lovely com desprezo- Alguém como você nunca entenderia, pessoas como você cresceram afastadas do mundo das bruxas e magos, enquanto nós éramos caçados como bestas pelos humanos, os lideres dos magos e das bruxas se isolaram do resto do mundo em sociedades ocultas completamente afastada dos humanos, deixando o resto de nós, pessoas como eu e você que viviam bem próximo dos humanos, morrer nas fogueiras. E você acha que eles se importavam? Eles deviam estar rindo enquanto famílias inteiras de feiticeiros eram destruídas. Eles são tão ruins quanto os humanos que nos caçavam.
                -Isso foi há séculos atrás Leandro, os lideres de hoje em dia, não tem nada a ver com os daquela época.
                -Eu costumava pensar assim... Eu era o aprendiz do líder dos magos e iria substituir ele quando chegasse na idade certa, mas o conselho do magos não concordou com isso por eu ser um feiticeiro, o único modo de eu assumir o poder era se eles destruíssem o meu dom de criar, a criatividade de um feiticeiro
                -Leandro... Você não...
                -Eu deixei...
                Os dois ouviram estrondos vindo dos andares de cima, o castelo havia sido invadido, houve gritos e barulhos de explosões. “O que raios eles estão fazendo lá em cima?” Lovely correu para a saída do salão até que ouviu passos apressados do outro lado da porta, antes que ela pudesse se afastar a estrada foi arrombada por magia fazendo Lovely voar até o outro canto da sala. Quando ela se levantou viu uma garota de cabelos negros roupas brancas e azuis, asas com vários buracos de queimaduras de acido, empunhando uma espada de cristal.
                -I-Ice?!
                -Lovely...
                -Ice, você precisa me deixar explicar.
                -Cale a boca
                - O Leandro, ele...- Quando Lovely se virou Leandro havia desaparecido- Ele me ameaçou
                Ice abriu as asas mostrando varias queimaduras- Você fez isso comigo
                -Ice isso foi... Eu não queria...
                -O inferno que não queria, você me deixou para morrer
                -Ice, por favor escuta, eu fui enfeitiçada, eu não tive escolha ele capturou Diere, ele iria matar
                -Mentira!!! Diere foi encontrada jogada numa caverna quase morta, você a machucou não foi?
                -Não!!!- Lovely disse tendo que se desviar da espada de Ice
                -A sua espada... Ela está diferente...
                - Sim, eu a criei depois que você me deixou ser engolida por um dragão.- Ela disse dando um soco no rosto de Lovely que caiu no chão.

                Lovely tentou levantar, mas seus braços e pernas estavam congelados e presos no chão- Ice, você precisa me deixar ir- Mas ela congelou quando viu Ice se aproximar com a espada- O...O que vai fazer...? Ice? Ice...- Ice apontou a espada para o peito de Lovely e a apunhalou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário