13 de julho de 2015

Como tudo começou- Capitulo 26

                -Ela é muito teimosa, não acho que ela vá se juntar a nós de qualquer maneira- Daniel disse depois que os dois saíram do quarto deixando Lovely sozinha.
                -Ela é uma fada do amor, sentimentos são importantes de certa forma para ela- Ele sorriu- Talvez ela cometa suicídio caso nós matemos os amigos dela.
                -Talvez eu possa convencê-la de se unir a nós
                -Está preocupado com ela? Pensei que queria se vingar, Imagine como ela estaria quebrada quando eu acabar com tudo e todos,  você mesmo poderia mata-la, não seria divertido?
                -Talvez ela seja útil
                -Talvez.... Por acaso eu te contei sobre as historias que eu ouvi sobre fadas humanas?
                -O que?
                -Elas tem varias diferenças entre as fadas puras e as fadas humanas, espectativa de vida, força física, força mística, mas tem algo muito interessante que as diferem, sua fonte de poder... Como eu destruí a criadora, as fadas puras estão ficando cada vez mais fracas, mas isso não aconteceu com as fadas humanas, porque elas possuem outra fonte de poder, seu elemento oculto, coisas como o sentimento de liberdade, orgulho, sinceridade e amor são alimento para os seus poderes.
                -Onde quer chegar?
                -Você, diferente dos outros, quando se tornou um impuro, você deixou a sua parte humana vivendo como uma pessoa normal ao invés de elimina-la, essa parte de você viveu normalmente até você ser amaldiçoado, agora, vocês são uma pessoa só de novo... Mas não completamente
                -Meus problemas não são da sua conta
                -Ela está se aproveitando de você. Com quem será que está a sua lealdade?
                -Eu não sou leal a ninguém, e você sabe disso. E a propósito, como sabe que ela irá ser leal a você.
                -Estive aperfeiçoando o ritual, e posso fazer com ela obedeça apenas a mim.- Com um sorriso sombrio- Pretendo testar isso na rainha Magictopiana, ter ela como serva e usa-la contra os magictopianos que restaram será a prova de que já venci essa guerra.
                -Quando tudo isso acabar, será que eu posso ficar com ela?
                -Divirta-se.
                Lovely estava com os braços doloridos por causa das correntes- Ninguém vai encontrar a Diere lá, ela pode morrer- Ela começou então a chorar- Eu...nem sei se vou conseguir sair daqui viva...
                -Porque não desiste?
                -O que?- Lovely viu uma menina parada perto da cela, ficando de guarda
                -Não é tão ruim assim ser um deles,  não são tão diferente de nós.
                -Você não esta vendo que ele está escravizando todos vocês?
                -Não é bem assim, ele só quer que todos nós sejamos iguais, sem tribos ou diferenças. A maioria dessas pessoas foi tratada como lixo pela própria tribo, você não pode culpa-los por querer se tornar fortes.
                -Mesmo assim, mesmo que você diga que ele quer tornar todos iguais, você sempre será uma fada, Leandro sempre será um feiticeiro, há muitas diferenças entre vocês. Realmente não há muita diferença entre nós e os impuros, mas se tornar um impuro não é a solução- Lovely olhou bem para a fada, uma fada do ar- Servir Leandro seria como perder a sua liberdade, e as fadas do ar como você são seres livres- Lovely parou de falar quando uma barra de ferro bateu com força nas grades da cela fazendo um estrondo.
                -NÃO DÊ OUVIDOS A ESSA FADA ANTIQUADA!!!- Leandro disse olhando Lovely com desprezo- Vamos minha pequena, o seu ritual irá começar já escolheu o seu novo amuleto?
                -Sim, é o colar da minha irmã- A menina mostrou um colar em forma de coração.
                -Muito bem, depois você terá que me entrega-lo, afinal, se ele for destruído, você morrerá.- Ele disse à menina, Lovely se levantou forçando as correntes.
                -LEANDRO!!! EU JURO QUE SE ESSA MENINA SE MACHUCAR, EU IREI TE MATAR!!

                -Apenas ignore, ela não entende...- Leandro disse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário