15 de dezembro de 2014

Como tudo começou- Capitulo 8

                -Lovely, é bom ver você novamente, desde que eu sai da escola, não parecia interessante continuar em Magictopia, então vim morar com a minha tia e a minha prima.
                -Tameria, acho que você já conhece a Giovana né? Esse é o Felipe, não precisa fingir agora, acho que vai ser pior caso você minta- Lovely disse olhando com o canto dos olhos para Giovana.
                -Sem falar que você é péssima em mentir- Completou Giovana que tinha percebido tudo
                Tameria soltou um suspiro- Está preocupada?
                -Muito, é sobre aquele amuleto da lua, e talvez algumas informações sobre os amuletos.
                -Dara não havia confiscado? Ela confiscou varias criações minhas por serem muito perigosas, por isso eu fui embora.
                Lovely retirou um broche da bolsa, provavelmente feito de prata, parecia uma moeda com quatro símbolos marcados nela, lua nova, crescente, cheia e minguante- Quero que explique como se usa.
                -Basicamente prender perto do peito da pessoa serve, mas acho que você quer algo mais... permanente
                -O que é isso?- Felipe ficou olhando para o broche
                -Amuleto contra licantropia, acredito eu- Giovana respondeu.
                -O amuleto perde os poderes caso seja retirado da pessoa, para ser definitivo, você deve abrir o peito dele e prender o broche no coração dele, não se preocupe, o broche não irá machuca-lo.
                -Só isso?- Lovely perguntou um pouco desconfiada
                -Ah, sim, e você deve fazer isso enquanto ele estiver transformado.
                -... O QUE!!!!!!???? FICOU LOUCA DE VEZ?!!! PORQUE NÃO MANDA A GENTE PULAR CORDA CRUZADA DE COSTAS COM UMA PERNA SÓ?!!!! COMO ESPERA QUE A GENTE FAÇA ISSO???
                -Você pode criar flechas que paralisam qualquer tipo de ser vivo e a sua prima tem uma espada que pode cortar qualquer coisa, imobilizar e abrir um lobisomem será moleza- Tameria disse calmamente.
                -C-certo- Lovely tremeu- Já que é assim... será que poderia fazer algumas alterações no meu arco... tipo para ele acertar o alvo magicamente?
                -Infelizmente isso não é possível para mim- Ela disse um pouco decepcionada- Sou ótima para criar armas curiosas e diferentes, mas sempre acabo cometendo algum descuido aqui e ali, fazer o que? Ainda estou treinando. Uma arma feita por um anão adulto completamente formado é algo impressionante aos olhos de humanos, mas uma arma forjada pelas mãos do destino, é algo que não se pode descrever.
                -O que isso significa?- Giovana perguntou indiferente.
                -Apenas um ditado entre anões
                -Lovely, nós não tínhamos que ir visitar outras tribos?- Giovana perguntou- Nós ficamos com os mais cabeças duras, caçadores, cavaleiros, amazonas...
                -Nós íamos, mas por algum motivo Horkeus e Samanta imploraram para eles mesmos visitarem as capitais... Nunca tinha visto o Horkeus implorar, principalmente para uma garota... Também nunca tinha visto a Samanta implorar... Eles pareciam muito nervosos.
                -Deve ser por causa da cultura deles...Escravidão não é algo que as pessoas aceitem facilmente.
                -Nós fomos selecionadas para essa missão porque poderíamos lidar melhor com as diferenças entre as tribos, eu acho...
                -Eu já perdi a fé na humanidade mesmo, nada do que eu veja pode me surpreender- Giovana percebeu que Lovely não estava prestando atenção- Lovely? Você está bem?

                -Hum?- Ela disse acordando- Não sei, alguma coisa me diz para voltar para casa, deixa pra lá...

Nenhum comentário:

Postar um comentário