29 de agosto de 2012

Sombras no metro de São Paulo- Capitulo 5


                Lovely saiu do trem cantarolando:
                -Me ferrei!! Me ferrei!! Eu to morta, eu to morta!! Caramba, como eu consegui perder elas tão rápido? Geralmente eu demoro um tempinho a mais. Bem, podia ser pior, minha mãe podia estar junto, ai sim eu estaria morta.
                Lovely olhou para os lados e viu um casal sentados no banco abraçados dormindo ela soltou um suspiro romântico depois um “blerg”
                “Lugar estranho para dormir”- Ela pensou.
                -Qual o problema menininha?- Um velho perguntou atrás dela- Não gostou do lanche?
                -Lanche? Do que o senhor esta falando?- Ela disse se afastando do velho
                -Você se “alimenta” de felicidade e amor, quanto mais pessoas ao seu redor estão felizes, mais forte seus poderes são.
                -Cara, você deveria diminuir o álcool, ou seja lá o que...
                -Não se faça de sonsa, pode enganar a todos com essa inocência, mas nós dois sabemos que você faria de tudo para que ninguém descobrisse que você não se importa com ninguém alem de si mesma.
                -Calma cara, você fala como se eu estivesse cometendo um crime.- Ela disse olhando para os lado confusa e assustada.
                -Alguma vez você já sentiu amor de verdade por alguma pessoa?
                Lovely pensou em Daniel, em Melody, Diere, Kaila e Ice, não tinha certeza sobre Daniel, já que não confiava completamente nele.
                -Esses não servem, você já pensou que o único motivo de você sentir amor por alguma fada era por causa do sangue que corre em suas veias?- Ele disse segurando o pulso dela
                -EI!! Me larga!!!
                -Sangue de fada, o mesmo sangue que liga todos os tipos de fadas existentes que fazem com que elas sejam quase como uma só.
                “O mesmo sangue que pode nos destruir com apenas uma gota”- A sombra pensou.
                Lovely gravou as unhas no braço do velho e entrou em desespero quando viu que seus braços estavam sangrando. O velho soltou o braço dela e Lovely recuou alguns passos colocando a mão no braço.
                -Seu coração é frio como o chão de concreto dessa cidade, a fadinha que vive falando sobre a frieza da fada do gelo, tem um coração mais frio que o próprio inverno.
                -Eu... sei- ela disse olhando para baixo.
                “Amor é para personagens de romances, o coração frio nunca se machuca ou se magoa, você nunca se magoou de verdade porque nunca teve um coração de verdade”
                -Eu sempre quis tratar todos com bondade, mas sempre pensei em torturas horríveis quando alguém me tratava mal, sempre fui vingativa, no fundo eu sempre fui cruel, talvez eu deva abraçar o meu verdadeiro ser...

Nenhum comentário:

Postar um comentário